MENU

Dirigente pede que torcida apoie o time e perdoe Somália

Dirigente pede que torcida apoie o time e perdoe Somália

Atualizado: Terça-feira, 29 Março de 2011 as 9:55

Manifestações contrárias às atuações de alguns jogadores, vaias e reclamações. Nas últimas partidas do Botafogo, a torcida se mostrou impaciente com o time. Atletas como Fahel, Alessandro e Somália, por exemplo, são alvos da revolta de alguns alvinegros. O ex-treinador Joel Santana também foi hostilizado, principalmente na derrota por 2 a 0 para o Vasco, pela quarta rodada da Taça Rio. Dois dias depois, pediu demissão. Apesar de falar na sua despedida que as vaias não foram determinantes para a tomar a decisão de sair, ficou claro que a relação estava desgastada.

O Botafogo contratou Caio Jr. para a função. Nesta segunda-feira ele iniciou o trabalho em General Severiano. Minutos depois da apresentação do treinador, o vice de futebol do clube, André Silva, conversou com a imprensa e, entre respostas sobre reforços e saída de jogador, ele fez um apelo.

- Peço à torcida que tenha paciência, dê um tempo para o Caio trabalhar. Que dê um tempo para a gente. Estamos precisando que a nossa torcida nos apoie. Falam muito, mas a minha geração ficou 20 anos sem ser campeã e nunca deixamos de apoiar. Dividíamos o estádio com Flamengo, Fluminense e Vasco. Eles cantavam parabéns e mesmo assim não deixávamos de ir. Para se ter uma ideia, eu não cantava parabéns no meu aniversário porque tinha ódio dessa música. Nossa torcida é nosso maior patrimônio. Trabalhamos pelo clube e por ela – disse o dirigente, lembrando o título do Carioca de 1989, quando o Botafogo superou o Flamengo na decisão (1 a 0) com gol de Maurício e conquistou um título depois de 21 anos de jejum.

Naquela época, os torcedores rivais cantavam parabéns para ironizar o período alvinegro sem levantar uma taça. Um dos mais perseguidos, Somália é outro que pode seguir o caminho de Joel e deixar o clube. André Silva admite que, se for o desejo do jogador e Caio Jr. o liberar, não está descartada uma possível troca por Gilberto, do Cruzeiro. Segundo o dirigente, o novo técnico pediu um tempo para analisar Somália, que teria também despertado o interesse de Inter e Corinthians. Ele, inclusive, foi escalado entre os titulares no treino tático desta segunda-feira antes do jogo contra o Paraná, que acontece na quarta, no Durival de Britto, pela segunda fase da Copa do Brasil.

O pedido, então, é de paz. O vice de futebol entende que o episódio do início do ano, quando o volante inventou um falso sequestro-relâmpago para justificar o atraso na reapresentação do elenco, arranhou a imagem de Somália. Na ocasião, o jogador foi punido com multas e ficou barrado. Agora o dirigente espera que haja trégua nas arquibancadas em prol do clube.

- O jogador nem sempre consegue manter a performance. Qualquer profissional, assim como vocês (jornalistas) na imprensa e eu no cartório, temos uma semana melhor, outra pior. Mas como eles têm uma vida pública, as coisas ficam mais expostas.

Sem dúvida que o episódio (do falso seqüestro relâmpago) acabou afetando um pouco a imagem dele junto à torcida. Ficaram um pouco magoados, mas gostaria que perdoassem. Ele já pagou a pena dele. Falei para ele que ele pagou umas das maiores transações penais que já vi na minha vida em valores. E já pagou aqui também. Vamos ter um pouco de paciência. Estamos com uma nova comissão técnica, tentando atender os anseios da torcida, mas precisamos da ajuda dela.      

veja também