MENU

Em alta, Vasco recebe dobro de ofertas de patrocínio para 2012

Em alta, Vasco recebe dobro de ofertas de patrocínio para 2012

Atualizado: Sexta-feira, 9 Dezembro de 2011 as 11:08

Vasco celebra gol: maior exposição da marca em

2012 (Foto: Jorge Wiliam / Agência O Globo) A participação na Libertadores garantirá ao Vasco um natural aumento das receitas. Mas a boa campanha em 2011 já foi responsável por criar projeções ainda mais otimistas em relação a patrocinadores. Com dois contratos a renovar e um espaço a vender em seu uniforme, o Cruz-Maltino tem hoje uma fila de interessados em estampar suas marcas.

A estimativa é que os contratos de patrocínio em sua camisa tenham rendido ao Vasco quase R$ 30 milhões em 2011. Para o próximo ano existe a certeza de crescimento, com um faturamento que chegue os R$ 45 milhões em 2012. - O faturamento do Vasco em 2011 foi maior em relação ao ano anterior, mas nada expressivo. Para 2012, há o dobro de empresas que se mostraram interessadas em firmar contrato. Estudos indicam que os valores aumentem de 40% a 50%. Tudo isso não apenas pelos resultados em campo, mas também pelo crescimento da credibilidade do clube - afirmou Nelson Rocha, vice-presidente de finanças do clube.

O Vasco tem contrato com a Eletrobrás até 2013, que rende ao clube pouco mais de R$ 1 milhão por mês. No entanto, no fim de 2011 vencem os acordos com o BMG, que estampa a marca nas mangas, e com a Ale, que ocupa o peito. Segundo Nelson Rocha, as duas empresas manifestaram interesse em dar continuidade à parceria.

- A prioridade de renovação é dessas empresas. Mas com a maior exposição da marca, é natural que os valores aumentem. De qualquer maneira, estamos conversando com outros interessados. Além disso, em 2012 vamos negociar um novo patrocínio para a barra da camisa e para o calção - explicou o dirigente.

Apesar disso, o Vasco segue com problemas para receber a verba de seu principal patrocinador. Ainda sem as certidões negativas de débito, o clube depende de uma liminar obtida pelo Sindicato dos Jogadores Profissionais para contar com o dinheiro da estatal Eletrobrás. De acordo com a decisão judicial, o clube depende deste montante para pagar salários aos seus funcionários, um direito constitucional.

veja também