MENU

Em dia de histeria feminina para Neymar, Fla e Santos empatam

Em dia de histeria feminina para Neymar, Fla e Santos empatam

Atualizado: Segunda-feira, 24 Outubro de 2011 as 8:44

Dois meses e 26 dias depois de fazerem um jogo épico na Vila Belmiro, considerado o melhor dos últimos tempos, Flamengo e Santos se reencontraram no Engenhão neste domingo sem o mesmo brilho e algumas das principais estrelas daquele duelo que terminou 5 a 4 para os rubro-negros, na 12ª rodada. Daqueles, quem esteve presente desta vez foi Neymar, que naquela ocasião saiu com a derrota. Agora, sob histeria da torcida feminina, que gritava toda vez que pegava na bola, o craque voltou a ser o destaque. Fez gol, comemorou inspirado em passos que aprendeu com as dançarinas do Faustão e comandou o time com seu repertório de grandes jogadas. Mas saiu novamente sem a vitória. O Flamengo reagiu e, comandado pelo garoto Thomás, conseguiu o empate por 1 a 1.

  Deivid fez o gol do Flamengo, que com o resultado segue na briga pelo título mas ficou mais longe do líder, já que o Vasco chegou aos 57 pontos após vencer o Bahia por 2 a 0. Os rubro-negros estão com 52, em quarto, com o mesmo número de pontos do Botafogo, mas atrás pelo critério de desempate de vitórias. O Santos, sem aspirações ao título e sonhando com o Mundial de Clubes no fim do ano, está com 42.

A partida teve arbitragem polêmica. O árbitro Paulo Godoy Bezerra deixou de marcar um pênalti de Welinton em Neymar e anulou erradamente um gol legal do Flamengo, marcado por Alex Silva.

O gol de Neymar foi de pênalti, sofrido por Allan Kardec em jogada sensacional, ao driblar dois jogadores e ser derrubado por Alex Silva, o terceiro  O atacante vestiu a camisa 10 de Pelé, que neste domingo completou 71 anos de idade. E com uma coroa impressa perto do número, não fez feio e mostrou inspiração na partida válida pela 31ª rodada do Brasileirão.     Na próxima rodada, o Flamengo - que na quarta-feira vai ao Chile na missão impossível de ao menos devolver os 4 a 0 sofridos para o Universidad de Chile pela Copa Sul-Americana para tentar a vaga nos pênaltis - terá um jogo importantíssimo. Vai encarar, no domingo, no Olímpico, o Grêmio, que pela primeira vez em seus domínios enfrentará Ronaldinho Gaúcho desde seu retorno ao Brasil. O Santos receberá no sábado o Atlético-PR, que briga para não ser rebaixado.     Neymar, Léo Moura e Henrique em disputa de bola (Foto: Alexandre Loureiro/VIPCOMM)   Começo morno

O primeiro tempo foi uma decepção. De um lado, o Santos só queria deixar o tempo passar. Do outro, o Flamengo tropeçava na limitação de seu elenco. Sem Ronaldinho Gaúcho e Thiago Neves, cumprindo suspensão, Bottinelli, que fraturou um osso do pé esquerdo, e Aírton, barrado pela expulsão que prejudicou o time na goleada de 4 a 0 sofrida para o Universidad de Chile,. pela Copa Sul-Americana, Vanderlei Luxemburgo optou por Maldonado ao lado de Willians como volante e Negueba como meia se aproximando de Deivid e Jael no ataque. Ou seja: a armação da equipe ficava a cargo do aniversariante do dia, Léo Moura, que aos 33 anos passou a ser a grande esperança de lucidez.

Ali, pela direita, o Flamengo forçava o jogo desde o começo, sem sucesso. O Santos até dava liberdade. O time, desfalcado de Ganso, Elano e Léo, contundidos, do artilheiro Borges, suspenso, e do técnico Muricy Ramalho, que teve alta no sábado após crise de hérnia de disco, procurava cadenciar o jogo  no toque de bola e apostar no talento de Neymar e na velocidade de Allan Kardec e Rentería. E foi o camisa 9 santista quem teve a primeira chance de gol, aos 21 minutos. Impedido, arrancou e bateu pelo alto, obrigando Felipe a boa defesa, mandando para escanteio. Na cobrança de Neymar, o goleiro deu um susto ao sair e não achar a bola.

Gritos para Neymar

O camisa 11 começou o seu show particular pouco depois da metade da primeira etapa, quando deu drible espetacular em Willians e sofreu falta em seguida. Pouco depois, os dois jogadores deram susto ao se chocarem, batendo cabeça em jogada pelo alto, mas ficou tudo bem. A essa altura, o Flamengo, que não conseguia criar oportunidades, diminuía o seu ímpeto, e o Peixe começava a alugar o meio-campo. Arouca, principalmente, procurava ditar o ritmo. E bolas para Neymar, sempre seguidas de gritaria da torcida feminina presente ao Engenhão. Numa dessas jogadas, pela direita, o camisa 11 costurou Alex Silva, Junior Cesar e Maldonado, mas perdeu o equilíbrio na sequência.

O Flamengo não esboçava agressividade.. Negueba não acertava uma jogada, e Renato Abreu, recuado, pouco aparecia na frente. Junior Cesar não dava opção pela esquerda. Deivid e Jael pouco se movimentavam.

Até que, nos cinco minutos finais do primeiro tempo, três boas chances acordaram o torcedor rubro-negro. Primeiro foi uma cabeçada de Jael por cima do travessão em escanteio cobrado por Renato Abreu. Depois, Junior Cesar bateu para Rafael mandar para escanteio. Por fim, Jael matou a bola que veio de bicão para o alto de Renato Abreu e bateu com violência, obrigando Rafael a trabalhar novamente. De qualquer forma, muito pouco para quem entrou com a obrigação de vencer para seguir na briga pelo título.   De pênalti, Neymar abre o placar para o Santos contra o Fla (Foto: Marcos Tristão / Agência O Globo)     Gol e dança

Veio a segunda etapa, bem mais quente que a primeira. E o Santos não teve dúvidas em jogar justamente pelo lado direito do Flamengo. Com Neymar, claro. Logo depois de uma jogada individual do camisa 11 que causou histeria na arquibancada, foi a vez de Allan Kardec disparar. Com a camisa 10 de Pelé, que tinha uma coroa em homenagem ao aniversário do Rei, que completou 71 anos neste domingo, ele pareceu buscar inspiração.

Allan Kardec driblou Maldonado e Léo Moura até ser derrubado na área por Alex Silva. Neymar, na única vez que foi vaiado, bateu com perfeição, deslocando Felipe: 1 a 0, aos três minutos. Na comemoração, o craque tapou o rosto com as mãos e depois fez uma dancinha ensaiada com as dançarinas do Faustão.

Erros da arbitragem

O gol gelou o Flamengo. E o dia era mesmo de Neymar. Aos 10 minutos, agora pela direita, driblou Welinton e acabou derrubado na área pelo zagueiro. O árbitro, erradamente, não marcou a penalidade máxima.

Preocupado com o domínio do Santos, Vanderlei sacou Jael e o inoperante Negueba para pôr Diego Maurício e Vander. E um novo erro da arbitragem prejudicou dessa vez o Flamengo. Após cobrança de escanteio, Welinton tocou de cabeça para Alex Silva, que testou para as redes em posição legal, mas foi marcado impedimento.

Empate do Fla

Vanderlei voltou a mexer, botando o garoto Thomás no lugar de Willians. A prata da casa, ao lado de Vander, deu mais velocidade ao time e fez boa jogada para Diego Maurício desperdiçar.

Preocupado, Tata mexeu no Santos, sacando Allan Kardec, que estava bem, para pôr Ibson, para conter a velocidade rubro-negra. Não conseguiu. Pouco depois, o Flamengo chegou ao empate: no único centro perigoso pela esquerda de Júnior César, o sumido Deivid, na primeira boa intervenção na partida, testou no canto. A bola ainda tocou na trave antes de ir ao fundo das redes, aos 32 minutos.   Deivid fez o gol do Flamengo no empate com o

Santos  (Foto: Alexandre Loureiro/VIPCOMM)   O Flamengo seguiu na pressão, comandado pelo veloz Thomás. O Santos, em contra-ataque, assustava, tanto que quase fez o segundo, com Neymar obrigando Felipe a outra boa defesa. Aos 44, o Peixe ainda teve um gol de Edu Dracena corretamente anulado por impedimento. Mas o jogo ficou mesmo no empate.

Com o resultado, a equipe rubro-negra completa nove  jogos sem perder para o rival santista - a última derrota foi em 2007. Mas fica mais longe da liderança.             Vídeo: Youtube

veja também