MENU

Em dia difícil para brasileiros, tubarão causa tensão no Mundial

Em dia difícil para brasileiros, tubarão causa tensão no Mundial

Atualizado: Quarta-feira, 7 Dezembro de 2011 as 2:33

Brasil não vai bem no quarto dia de disputas do

Mundial de vela (Foto: Divulgação / Site Oficial) O quarto dia de disputas do Mundial de vela deixou os brasileiros mais distantes dos Jogos Olímpicos de Londres-2012. Apenas uma atleta segue na zona de classificação. Na classe RS:X, Patrícia Freitas caiu da 19ª posição para a 22ª, mas ainda segue com chances. Carmen Rosas e Bruna Martinelli estão na 60ª e 63ª colocações, respectivamente.

O dia teve momentos tensos com a aparição de um tubarão no meio da raia da disputa. Preocupado com a segurança dos velejadores, John Longley, diretor do evento, solicitou a ajuda da equipe de resgate e de um helicóptero.

- O relato foi feito por um pescador profissional que é considerado uma fonte segura. Nós informamos às autoridades que o helicóptero que faz o controle de tubarões vai estar focado na busca. Nossos barcos de resgate também estão em alerta depois da aparição do animal. A segurança dos atletas é fundamental.

Com um dia de atraso, a quarta etapa do Mundial foi realizada nesta quarta-feira. Na última terça, uma tempestade elétrica fez os organizadores da competição suspenderem as disputas. Na Laser Radial feminina, as atletas brasileiras seguem bem longe das primeiras posições. Adriana Kostiw foi a 47ª, Odile Ginaid a 82ª e Patrícia Gatti foi a 100ª colocada.

No retorno das disputas do Grupo B da match race feminina, Brasil também não foi muito bem. O trio formado por Juju Senfft, Luciana Kopschitz e Renata Decnop venceu duas regatas e perdeu três. Agora, elas ocupam o 9º lugar, entre as 14 equipes do grupo.

Na 470 M, a dupla dos titulares Fábio Pillar e Gustavo Thiesen ultrapassou os compatriotas Carlos Henrique Wanderley/Marco Brancher. As duas parcerias terminaram o quarto dia de disputas em 43º e 52º, respectivamente. Henrique Haddad e Nicolas Ilg Castro foram os 67º. Na classe Finn, o caçula da equipe Jorge Zarif, de 19 anos, caiu da 32ª colocação para a 49ª.

Equipe de resgate foi acionada durante a competição (Foto: Divulgação)        

veja também