MENU

Em má fase do Palmeiras, Chico ganha atribuições de líder com Felipão

Em má fase do Palmeiras, Chico ganha atribuições de líder com Felipão

Atualizado: Terça-feira, 11 Outubro de 2011 as 10:32

Chico tem a confiança de Felipão

(Foto: Cesar Greco/Agência Estado)

  A fase de tropeços do Palmeiras no Campeonato Brasileiro serviu para o técnico Luiz Felipe Scolari detectar jogadores com queda de rendimento “espantosa” desde o início da competição. No entanto, também serviu para o surgimento de um novo pilar e candidato a líder do elenco, que tem 40 pontos na tabela e está longe da briga por classificação para a Taça Libertadores do ano que vem. Mesmo com os maus resultados, um jogador se destacou e vem conquistando respeito dentro do grupo: Chico.

Tímido em seu início pelo clube (chegou em janeiro, vindo do Atlético-PR), o volante só ganhou mais espaço entre os titulares a partir do mês de agosto, justamente quando o concorrente Márcio Araújo iniciou sua queda. Os dois jogos contra o Vasco em São Januário, por Copa Sul-Americana e Brasileirão, selaram a entrada de Chico na equipe. A primeira justificativa de Felipão foi a respeito da altura do volante (1,86m), que ajudaria a conter a bola aérea dos adversários. Já são 20 jogos no Brasileirão, a maioria como titular.   Chico foi favorecido pela sequência de boas atuações. Tratado por Felipão como “protetor da zaga”, o volante ganhou a confiança do técnico e passou a exercer maiores responsabilidades. Em conversa particular, Scolari pediu a Chico que ele assumisse a função de organizar o sistema de marcação no meio-campo e orientasse mais seus companheiros. Assim, a opinião do jogador passou a ter força dentro do grupo. Com as frequentes ausências de Kleber e Valdivia, o volante é considerado a nova liderança do Palmeiras – hoje dividida com Marcos Assunção.

- Nem titular eu me considero ainda, mas agora eu falo mais e tenho a confiança do grupo. Preciso manter essas boas atuações para que eu consiga ter espaço na equipe. É bom saber que o Felipão confia em mim – celebrou Chico.

Após a derrota por 1 a 0 para o Santos, neste domingo, o volante lamentou mais um gol sofrido em bola aérea – Borges subiu sozinho na pequena área para cabecear. Mesmo sabendo quem errou no lance, Chico não expôs culpados.

- É até complicado. Vou chegar para vocês e dizer o quê? Vamos trabalhar, não tem mais o que falar.

Outra função acumulada por Chico é a de apagar incêndios, tarefa que antes cabia a Marcos Assunção. Bem articulado, o camisa 23 tem sido mais solicitado para entrevistas. Costuma dar explicações e amenizar o ambiente após resultados negativos. Para Felipão, é tudo o que se espera de um novo líder.          

veja também