MENU

Em noite de Wallyson e do banco de reservas, Raposa goleia Guaraní-PAR

Em noite de Wallyson e do banco de reservas, Raposa goleia Guaraní-PAR

Atualizado: Quarta-feira, 23 Fevereiro de 2011 as 8:02

Após arrasar o Estudiantes em sua estreia na Taça Libertadores, fazendo 5 a 0 no algoz argentino, o Cruzeiro confirmou seu favoritismo ao golear o Guaraní, do Paraguai, por 4 a 0, e chegou à liderança isolada do Grupo 7 da competição, com seis pontos e nove gols de saldo. Mais uma vez o atacante Wallyson brilhou, marcando os dois primeiros gols da Raposa. Quando o jogo já estava liquidado, Farías e Thiago Ribeiro, que entraram no decorrer da partida, fizeram um cada e fecharam a conta.

Já o Guaraní segue na lanterna, sem nenhum ponto - perdeu na primeira rodada por 1 a 0 para o Tolima, na Colômbia. O time paraguaio recebe, no dia 9 de março, o Estudiantes, em Assunção, no Paraguai.

O Cruzeiro dá um tempo na competição sul-americana e volta as suas atenções ao Campeonato Mineiro. No próximo sábado, o time celeste vai a Teófilo Otoni encarar o América local, às 16h. Pela Libertadores, volta a campo no próximo dia 2, contra o Tolima, no estádio Manuel Murillo Toro. Será o primeiro jogo da equipe mineira fora de casa.

Estrela de Wallyson continua a brilhar

O horário da partida prejudicou alguns torcedores, que chegaram ao estádio com o jogo já em andamento. Um grande congestionamento nas proximidades de Sete Lagoas fez com que a Arena do Jacaré ficasse com espaços vazios nas arquibancadas durante boa parte do primeiro tempo. Atração à parte, o goleiro Pablo Aurrecochea, conhecido por seus uniformes excêntricos, manteve a tradição. O arqueiro paraguaio foi para o jogo com uma camisa cinza com estrelas roxas e o personagem de desenho animado Bart Simpson estampado no peito. Ele possui uma coleção com 50 modelos diferentes.

Ao contrário do que o técnico Cuca havia anunciado após o último treino, por causa da contusão de Gilberto, Pablo atuou na lateral direita, e Diego Renan, na esquerda, sua posição de origem. Empolgada pela goleada sobre o Estudiantes na estreia, os cruzeirenses levaram o primeiro susto aos nove minutos. Escobar cabeceou na trave direita de Fábio, e o silêncio momentaneamente tomou conta das arquibancadas. Aos poucos o Cruzeiro foi dominando a partida, só que esbarrava na forte defesa paraguaia. Com duas linhas de quatro defensores, o Guaraní apostava nos contra-ataques.

Se com a bola rolando estava difícil, a bola parada surtiu efeito. Após cobrança de escanteio, aos 29, Wallyson pegou o rebote de primeira e chutou no canto para abrir o placar. Foi o quarto gol do atacante na temporada, o terceiro na Libertadores. Com a vantagem, a Raposa diminuiu o ritmo e teve tempo de tomar outro susto ainda na primeira etapa. Após levantamento para a área, a defesa tentou fazer linha de impedimento, mas falhou. Filipini cabeceou sozinho e por muito pouco não empatou o jogo.

Ataque poderoso

A segunda etapa começou sob forte chuva, mas nem a água foi capaz de acalmar o ímpeto do Cruzeiro, que, incentivado pela sua torcida, foi com tudo para definir a partida. O Guaraní não conseguia passar do seu campo. E mais uma vez Wallyson mostrou ter estrela ao ampliar o marcador aos 18 minutos. Montillo cruzou, o atacante dominou e tocou na saída de Aurrecochea.

O gol desmontou toda a motivação do time paraguaio, e o Cruzeiro passou a jogar no contra-ataque, esperando sempre o erro do adversário. O que se viu a partir daí foi a equipe da casa abusando do direito de perder gols. A Raposa pecava no último passe.

No lado dos visitantes, o volante Pedro Chavez protagonizou uma cena hilária para os torcedores do Cruzeiro. Ele entrou no lugar de Ithurralde, mas foi substituído cinco minutos depois. Ao deixar o campo, Chavez jogou a camisa no chão e esbravejou contra o técnico Carlos Compagnucci. Delírio nas arquibancadas.

E o que já estava bom ficou muito melhor a partir dos 40. Num rápido contragolpe, Dudu foi acionado na esquerda e bateu cruzado para a área. Esperto, Farías entrou livre e empurrou para a rede. E teve tempo para mais. Já batidos em campo, os paraguaios passaram a assistir ao toque de bola da Raposa, e dois minutos depois Thiago Ribeiro carregou a bola sem ser incomodado. Da intermediária soltou uma pancada, e a bola morreu quase no ângulo de Aurrecochea. Mais uma goleada do envolvente time do Cruzeiro.      

veja também