MENU

Entre diretas e indiretas, Roth não assume erros por fracasso

Entre diretas e indiretas, Roth não assume erros por fracasso

Atualizado: Sexta-feira, 17 Dezembro de 2010 as 1:23

Celso Roth tem explicações para a derrota de 2 a 0 para o Mazembe. E não se vê como responsável direto por nenhuma delas. Nesta sexta-feira, em entrevista coletiva no Zayed Sports City, palco da disputa do terceiro lugar do Mundial (com a presença colorada, às 12h deste sábado) e também da batalha final pelo título, o treinador vermelho deu suas razões para o fracasso de terça-feira. Direta ou indiretamente, falou de questões paralelas a seu trabalho: gols perdidos, negociação de jogadores, até treinos com goleiros na linha. No planejamento, não viu erro.

- A culpa do treinador é sempre assim. Alguém tem que puxar a fila, e o treinador é sempre o escolhido de vocês. É essa a cultura que temos – disse ele.

Roth voltou a passar a imagem de que o Inter fracassou contra o Mazembe porque perdeu gols. Ele não considera que a equipe vermelha tenha feito uma má partida.

- O primeiro jogo não foi ruim. Foi só a derrota. O aproveitamento do Mazembe é que foi bom. Deu só dois chutes e fez os gols.

A parte mais curiosa da entrevista foi quando Roth, ao defender seu planejamento, usou a saída de dois jogadores, negociados pela diretoria, como explicação para o mau desempenho do Inter no segundo semestre. Ele teve quatro meses de treinamentos sem os atletas.

- Sobre o planejamento, se desse certo, seria o melhor do mundo. Quanto às escolhas e à preservação dos jogadores, não tínhamos como fazer diferente. Tínhamos que ter o cuidado, principalmente depois de ganhar a Libertadores, de ter uma sequência de jogos que o próprio calendário nos impôs. O time não teve apresentações como o torcedor e a imprensa esperavam porque criamos uma situação. Fizemos quatro jogos fantásticos pela Libertadores, e aí quem faz isso tem a responsabilidade de manter, mesmo com a saída de jogadores. Não vejo muita gente citar, mas saíram o Sandro e o Taison, que estava para ser emprestado quando cheguei.

Roth deixou no ar uma última alfinetada. No meio de uma resposta, citou que teve que treinar com goleiros na linha. Isso aconteceu porque o zagueiro Rodrigo, por um erro do clube, não teve a inscrição aceita pela Fifa.

No final das contas, o treinador colorado se considera vitorioso. Prefere abraçar a conquista da Libertadores do que ressaltar o fiasco no Mundial.

- Sabemos o tamanho da nossa derrota. É do tamanho de nossa vitória na Libertadores. A oportunidade de jogar uma Libertadores é real. Estarmos aqui, e isso é nossa dor como grupo, pode ser mais difícil, mais complicado. Nossa dor, extensiva ao torcedor, é do tamanho de nossa alegria quando vencemos a Libertadores. Isso que é importante falarmos ao torcedor. Não terminamos o ano como perdedores. Terminamos como time que deixou passar uma oportunidade de ganhar o Mundial. Não somos perdedores. Somos vencedores. Só que Inter de Milão e Mazembe aproveitaram a oportunidade.

A entrevista de Roth evidencia ainda mais que ele vive seus últimos dias no clube. Boa parte da diretoria está decidida a não renovar o contrato com ele. O vínculo termina no próximo dia 31.    

veja também