MENU

Estrelas da Copa América: Messi, menino de Rosário e astro do mundo

Estrelas da Copa América: Messi, menino de Rosário e astro do mundo

Atualizado: Sexta-feira, 1 Julho de 2011 as 8:48

Aos 24 anos, ele é o cara. Messi já conquistou tudo pelo Barcelona, mas o destino ainda insiste em escrever com linhas tortas a história dele na seleção argentina. O Jornal da Globo mostra um pouco mais sobre o craque na série "Estrelas da Copa América".

Lionel, menino que nasceu em Rosário, não tinham nem tamanho para jogar bola, mas o talento bancava a aposta. O pequeno apareceu em um campinho argentino. Na verdade, ele não havia ido jogar, mas apenas acompanhar uma partida do irmão mais velho. Só que faltou um jogador, e o técnico pediu para que o pequenino entrasse em campo e ficasse ali, perto da grade para que se chorasse, pois a diferença de idade era muito grande, pudesse sair mais rápido. E o que aconteceu? Ele vestiu a 10, ganhou o jogo, e o campinho virou a casa dele.

Gonzalo Diaz que se deu bem: era o centroavante que recebia os passes de Messi. A camiseta está guardada até hoje, como um troféu.

- Com essa camiseta que jogamos todos os sábados e conquistamos os títulos. É um tesouro que tenho. É muito lindo ainda guardar e ver essa camisa na foto que está Messi. Guardo com muito carinho - disse o amigo.

Não demorou para Messi dar o passo seguinte: o Newell's Old Boys. Ernesto Vecchio, primeiro técnico de Messi, fala com orgulho do craque.

- Nenhum técnico pode ensinar Leo. Ele nasceu com essa virtude. A única coisa que podia pedir era para que tocasse um pouco mais rápido a bola para não sofrer tanto com as pancadas dos rivais. Ou que não prendesse tanto a bola para poder jogar um pouco mais em equipe. O que ele está fazendo hoje é o mesmo que fazia quando era pequeno.     Messi encantava, mas o físico era seu pior adversário. Os pais pediram para o clube pagar um tratamento para que ele crescesse um pouco, mas o Newell's não topou.

- Não acreditaram nele, porque era uma pulga. Tão pequeno, tão franzino que qualquer um olhava e dizia: esse menino não vai chegar ao profissional. Mas eu sabia que sim.

Nenhum outro clube argentino quis arriscar. A última tentativa foi seguir o conselho do tio que morava na Espanha. Ele acertou um teste e Messi foi aprovado pelo Barcelona. Junto com a vaga veio o esperado tratamento. Quem conta é o jornalista Marcelo Orlandini.

- Quem fez o teste com o Messi, no Barcelona, foi o Carlos, figura emblemática do clube. Quando eu falei com Reschath, a história passou a ganhar força. A primeira coisa que ele me disse foi que ao ver o Messi brincar com a bola por 30 minutos já tinha fechado com o menino. E com um contrato simbólico, eu escrevi que esse menino seria uma estrela do futebol mundial.

Aos 15 anos, Messi quase se naturalizou espanhol. Mas a reportagem de Orlandini alertou os dirigentes argentinos, que então procuraram uma maneira de convocar o garoto. Ele foi chamado para um amistoso contra o Paraguai, vencido por 6 a 0 pela Argentina. Depois de jogar por seu país, Messi não poderia mais defender nenhuma outra seleção. O jornalista, que salvou os argentinos, nunca mais o encontrou.

- Nós nos abraçamos depois da entrevista. Tiramos algumas fotos. Tenho a camisa dele assinada e guardada até hoje. Essas pequenas coisas são como medalhas que temos na profissão e são lindas recordações. Realmente sinto um orgulho e uma felicidade ao ver como terminou toda essa história.

Eel é o melhor jogador do mundo. Ele é Messi (Foto: agência Getty Images)

  Um novo capítulo está prestes a ser escrito. A história ainda está incompleta. O título olímpico foi pouco, os argentinos querem mais de Messi. Sabem que ele foi eleito o melhor do mundo pelo que fez no Barcelona, não pela seleção. Uma Copa dentro de casa é o capítulo que falta.

Tão difícil quanto marcar Messi é parar o craque para uma entrevistas. Ele não gosta de falar, prefere jogar. Se não fosse a aposta do Barcelona e a curiosidade jornalística de Orlandini, esta Copa América teria muito menos graça para todos que gostam de futebol.          

veja também