MENU

Ex-companheiro de Eto'o, Iarley não se arrepende de ter 'chutado o balde' no Real

Ex-companheiro de Eto'o, Iarley não se arrepende de ter 'chutado o balde' no Real

Atualizado: Terça-feira, 19 Janeiro de 2010 as 12

Em 16 anos de carreira, foram 13 clubes dos mais variados patamares. Bicampeão mundial e campeão da Libertadores, Iarley tem em 2009 um dos maiores desafios da carreira: levar o Corinthians ao inédito título sul-americano justamente no centenário. Depois de uma estreia empolgante contra o Monte Azul, o atacante relembra o passado de quem quase se transformou em um galáctico do Real Madrid, mas sem se arrepender dos passos dados na carreira.

Revelado pelo Ferroviário-CE, Iarley recebeu em 1996 uma chance de ouro aos 22 anos. O cearense de Quixeramobim foi comprado por empresários e repassado à equipe B dos merengues. Lá, encontrou jogadores que virariam estrelas do futebol mundial em poucos anos, como o camaronês Samuel Eto’o, o ídolo flamenguista Petkovic e o argentino Cambiasso.

- Eu fazia a dupla de ataque com o Eto’o. Ele já era como é hoje: uma máquina. É um jogador com raciocínio muito rápido, goleador e uma boa pessoa também – revelou.

À espera de uma chance na equipe principal, Iarley via no maior rival do Real Madrid o surgimento de um certo fenômeno. Nos dois anos que esteve na Espanha, Ronaldo foi eleito o melhor jogador do planeta, assombrando defensores com a camisa do Barcelona. Agora, ambos estão lado a lado no Parque São Jorge para fazer os gols e dar ao Timão o caneco da Taça Libertadores da América.

- Eu via o Ronaldo jogar no Barcelona. Ele tem algumas semelhanças com o Eto’o. É um jogador que dribla correndo. É muito difícil de ser marcado – acrescentou. Mas foi em 1996 que Iarley ganhou um grande amigo no Real Madrid. Depois de uma passagem apagada pelo Internazionale-ITA, Roberto Carlos desembarcou na Espanha para fazer história. Os amigos, porém, se separaram e só se reencontraram na chegada ao Corinthians.

- O Roberto foi para o Real no mesmo ano que eu. Nós éramos muito amigos, sempre jantava na casa dele. Infelizmente, quando saí, perdemos contato. Quando o encontrei no Corinthians, ele me disse: "Estamos juntos novamente". Isso me deixou muito emocionado – afirmou.

Quis o destino que Iarley deixasse o Real Madrid. Empresários e diretoria não se entenderam na negociação da venda dos direitos dele para o clube. No meio da confusão, o atacante optou por ir embora e recomeçar a carreira em clubes menores, como Celta-ESP, Melilla-ESP, Uniclinic-CE, até ganhar destaque novamente no Ceará. Depois disso, passou por Paysandu, Boca Juniors-ARG, Dorados-MEX, Internacional e Goiás. Arrependimento? O atacante jura que não.

- Eu chutei o balde e fui embora do Real. Não me arrependo disso não. Não tinha medo de recomeçar. Sempre confiei muito no meu taco – completou.

É o que a Fiel espera.

Por: Carlos Augusto Ferrari

veja também