MENU

Fágner aguarda ansioso convocação de Mano Menezes

Fágner aguarda ansioso convocação de Mano Menezes

Atualizado: Segunda-feira, 13 Fevereiro de 2012 as 7:04

Hilton Mattos, iG Rio de Janeiro

Discreto, jogador diz que passará a noite rezando para disputrar amistoso contra a Bósnia, no fim do mês

Na manhã desta terça-feira, o técnico Mano Menezes solta a lista de convocados para o amistoso contra a Bósnia Herzegovina, no dia 28, em St. Gallen, na Suíça. Um jogador em especial no Vasco aguarda ansiosamente ter o nome pela primeira vez na seleção brasileira. Mantendo o bom aproveitamento de 2011 nas assistências, Fágner fala de sua expectativa para ser lembrado pelo treinador. A convocação será às 11h em um hotel da Zona Sul do Rio.

Alecsandro admite que torcida do Vasco ainda o persegue

 

 

Fágner concede entrevista em São Januário

Foto: Hilton Mattos

“Claro que a gente quer ser lembrado. Acho que venho atravessando um bom momento, mas não quero criar expectativa. Venho treinar normalmente pela manhã sem ficar preocupado com a convocação. Se for chamado será ótimo. Se não for, mais na frente pode acontecer”, discursou o lateral-direito, que, apesar do discurso indiferente, acaba se entregando. “Vou passar a noite rezando”.

 

Vasco vai poupar alguns titulares contra o Volta Redonda

Com idade olímpica, Fágner, de 22 anos, é uma opção para os Jogos de Londres. Seus concorrentes no time principal são, segundo o próprio jogador, Maicon (Inter de Milão) e Daniel Alves (Barcelona). No ano passado, além de marcar cinco gols na temporada, foi importante nas assistências.

Após se recuperar de uma lesão que o deixou fora da foto da Copa do Brasil, o lateral voltou em grande estilo. Este ano, vem mantendo o bom aproveitamento. Na vitória de 2 a 1 sobre o Fluminense, foi dele o cruzamento para Alecsandro fazer o gol que empatou o clássico no Engenhão. O técnico Cristóvão Borges tem feito campanha por ele na seleção.

Tímido, o jogador agradeço o reconhecimento do treinador e atribui a boa fase à perseverança. Conta ele que os conselhos do pai foram importantes para o bom futebol que apresenta desde a sua chegada em São Januário, em 2009.

“Eu vim para o Vasco e fiquei parado três meses. E aí sabia que levaria tempo para me adaptar, pois vim do futebol holandês. Depois que ganhei ritmo e não tive mais lesão, não parei de treinar. Meu dizia: ‘Nunca pense que está bem’. E é assim que eu penso. Nas férias, me cuidei bastante para entrar o ano bem”.  


Continue lendo...

veja também