MENU

Ferguson: 'Essa é a única indústria onde você não pode dizer a verdade'

Ferguson: 'Essa é a única indústria onde você não pode dizer a verdade'

Atualizado: Quinta-feira, 17 Março de 2011 as 1:59

O técnico do Manchester United, sir Alex Ferguson resolveu soltar o verbo contra a federação inglesa de futebol (FA), que o puniu com uma suspensão de cinco partidas e uma multa de £30 mil (R$ 80 mil) por ter criticado o árbitro Martin Atkinson na derrota dos Reds sobre o Chelsea, por 2 a 1, no início do mês. Revoltado, o treinador criticou a punição.

- Estou desapontado. Essa é a única indústria onde você não pode dizer a verdade. Mas é passado agora - disparou.

Ferguson não poderá comandar o time no gramado em quatro jogos da Premier League e na esperada semifinal da FA Cup, contra o rival Manchester City. De acordo com o jornal "Daily Mail", o treinador está avaliando se vai ou não solicitar uma audiência pessoal para se defender contra a suspensão, que considera injusta.

Recentemente, Ferguson foi denunciado por conduta imprópria e pediu uma audiência para defesa, mas uma comissão em Birmingham o julgou culpado e deu três jogos de suspensão ao técnico. Na ocasião, ele ficou suspenso por mais dois jogos por ter questionado a forma física do árbitro Alan Wiley, em 2009.

A possibilidade de ter a pena aumentada preocupa o treinador, que ficaria fora do jogo decisivo contra o Arsenal, vice-colocado no Campeonato Inglês, no domingo, 1º de maio. Nesta quarta-feira, o técnico do Chelsea, Carlo Ancelotti, defendeu Ferguson.

- Eu acho que ele sempre teve um bom comportamento. Cinco jogos é muito - afirmou.

A punição de cinco jogos ao escocês foi motivada pela reclamação após a derrota do Manchester para o Chelsea, por 2 a 1, quando ele criticou o juiz por não ter dado o segundo cartão amarelo ao brasileiro David Luiz, por faltas em Javier Hernandez e Wayne Rooney.

- Você quer um árbitro justo, ou forte, mas não ganha isso. Eu tenho que dizer que, quando vi o juiz, temi pelo pior - disse na ocasião.

O Manchester tem até segunda-feira para decidir se vai apelar contra a decisão.      

veja também