MENU

Flamengo leva a melhor no duelo contra o Boca Juniors

Flamengo leva a melhor no duelo contra o Boca Juniors

Atualizado: Sexta-feira, 26 Novembro de 2010 as 7:25

A fórmula para surpreender o segundo time brasileiro foi dada por Fernando Martina. Seria preciso ser competitivo durante os 40 minutos da partida e manter a tranquilidade que tiveram diante do Franca. Mas a reação do Flamengo no segundo quarto tirou a paz do Boca Juniors. E Jefferson também. Ele deixou o banco de reservas para liderar a virada que resultou em vitória, na estreia da equipe no hexagonal final da Liga Sul-Americana: 80 a 70 (42 a 29). - Para o jogador, dentro de quadra, o importante é ganhar, independentemente do adversário. O jogo foi muito nervoso, o time errou bolas que não está acostumado. Mas o mérito defensivo foi fundamental para a vitória - afirmou Marcelinho, que marcou 32 pontos no jogo.

Nesta sexta-feira, o Rubro-Negro volta a quadra para enfrentar o Franca, às 21h, em busca da vaga na semifinal do torneio. Antes, o Brasília mede forças com o Espartanos (VEN), às 19h. OS jogos terão transmissão do SporTV. Cerca de 200 pessoas compareceram à Arena da Barra para apoiar o time da casa. Mas o Boca conseguiu fazer com que a voz da arquibancada ficasse tímida no primeiro quarto. Os argentinos não davam espaços no garrafão e tentavam manter Marcelinho o mais longe que pudessem da cesta. Assim, conseguiram equilibrar as ações e vencer o primeiro quarto: 18 a 17.

Só não poderiam esperar que o panorama mudasse tão rapidamente. Jefferson e Hélio deixaram o banco e o Flamengo ganhou duas opções no ataque. O ala anotou 13 pontos no segundo período e tornou mais fácil o caminho para a virada (27 a 25). O Boca perdia a cabeça. O técnico reclamava da arbitragem. Martina mostrava insatisfação com a postura da equipe e chutava a cadeira. E o adversário aproveitava para desgarrar no placar: 42 a 29.

O Flamengo seguiu ditando o ritmo, mas encontrou um pouco mais de resistência do outro lado da quadra. O Boca apostava nos contra-ataques e começava a minar o rival. OS erros seguidos também permitiram a aproximação dos argentinos, que fizeram a diferença cair para 51 a 46. Para piorar a situação, o pivô Bábby deixava a quadra com dores no tornozelo direito. Mas Átila ganhou a vaga e aproveitou a oportunidade. Mostrou disposição na briga pelos rebotes, contribuiu no ataque e reacendeu o time: 64 a 51.

O Boca lutava, mas cometia falhas também. E o Flamengo tirava proveito delas. A cinco minutos do fim tinha 18 pontos de vantagem e a administrava. Sem encontrar uma maneira de impedir a derrota que se aproximava, e ouvindo ao fundo os gritos de "Olé", o banco argentino voltava as atenções para reclamar um pouco mais dos árbitros.

veja também