MENU

Fluminense entra com pedido de exoneração contra Jorge Rabello

Fluminense entra com pedido de exoneração contra Jorge Rabello

Atualizado: Segunda-feira, 13 Fevereiro de 2012 as 7:03

iG Rio de Janeiro

Time encaminhará representação à Federação de Futebol do Rio de Janeiro por comentários contra o clube

O Fluminense irá enviar ainda nesta terça-feira uma representação pedindo a exoneração do presidente da Comissão de Arbitragem da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj), Jorge Rabello, do cargo. Após o time das Laranjeiras reclamar da arbitragem na derrota de 2 a 1 para o Vasco, no último domingo, Rabello defendeu o juiz Antônio Frederico Schneider das criticas e disse que o Flu estaria buscando desculpas pela derrota e resultados ruins na temporada.

"Por que não explicam que o Fluminense não vem jogando nada? Por que com uma folha salarial de R$ 7 milhões, empatam com o Duque de Caxias, que tem uma folha de R$ 100 mil? Por que o Fluminense é sempre dominado no segundo tempo? Foi assim contra o Duque de Caxias, Boavista, Vasco. Mas isso não vale a pena eles questionarem", disse Rabello em entrevista à rádio Tamoio.

Revoltados, os dirigentes do Fluminense lançaram um comunicado oficial pedindo a saída de Rabello do cargo. Segundo o time carioca, a representação foi motivada pela parcialidade com que o presidente da Comissão se pronunciou a respeito da reclamação do time das Laranjeiras. A nota ainda diz que o Flu pode ir até a Justiça comum para conseguir a exoneração.

Leia a nota oficial do Fluminense: "O Fluminense Football Club encaminhará à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), nesta terça-feira (14/02), uma representação requerendo a exoneração do presidente da Comissão de Arbitragem, Jorge Rabello. A representação foi motivada pela parcialidade com que Rabello se pronunciou a respeito dos erros cometidos pela arbitragem, contra o Fluminense, na partida do último domingo, contra o Vasco. Caso o pedido não seja atendido, o Fluminense irá a todas as instâncias da Justica Desportiva e, se necessário, da Justiça comum, para vê-lo fora da Comissão de Arbitragem."


Continue lendo...

veja também