MENU

Gol aos 43 minutos do segundo tempo coloca o Inter nas semifinais

Gol aos 43 minutos do segundo tempo coloca o Inter nas semifinais

Atualizado: Quinta-feira, 20 Maio de 2010 as 10:02

Na Argentina, o futebol brasileiro foi derrotado na noite desta quinta-feira, mas deixou o campo vitorioso. O Inter perdeu para o Estudiantes por 2 a 1 no estádio Centenário (Quilmes), mas graças a um gol marcado por Giuliano aos 43 minutos do segundo tempo, o Colorado garantiu a classificação para as semifinais da Taça Libertadores. No jogo de ida, no Beira-Rio, o time gaúcho venceu por 1 a 0.

Com o resultado, o Brasil já está garantido na decisão da Libertadores-2010. Inter e São Paulo vão decidir uma das vagas na final. Os confrontos entre os clubes que decidiram o título em 2006 serão realizados nos dias 28 de julho (Beira-Rio) e 4 de agosto (Morumbi).

O jogo em Quilmes terminou em uma imensa confusão. Após o apito final, o goleiro reserva colorado Lauro atingiu o zagueiro argentino Desábato, que respondeu com uma cabeçada em Abbondanzieri.

O exército de um argentino só

De um lado, o Estudiantes. Do outro, D’Alessandro. E ninguém mais. O Inter foi tão pobre no primeiro tempo, foi de uma mediocridade tão incompreensível, que nem a atuação acima do normal do camisa 10 colorado foi suficiente para segurar o clube de La Plata. O time de Jorge Fossati não teve ousadia, profundidade, infiltração, características que marcam as equipes que querem vencer seus jogos. Pior: o Inter foi a campo adormecido. Só acordou porque levou duas pancadas na cabeça, uma depois da outra, quase um nocaute.

A primeira chance de gol do Colorado só foi acontecer aos 30 minutos de jogo. Aí está a melhor comprovação de que o Inter foi inferior a seu tamanho habitual no primeiro tempo em Quilmes. Pato Abbondanzieri, com uma trapalhada atrás da outra, só complicou a situação. Com nove minutos, ele já mandou uma bola no pé de Verón. Não podia ter feito escolha pior. O craque emendou direto para o gol, mas o goleiro se recuperou. Três minutos depois, Verón tentou outra vez, de fora da área. Pato espalmou bem.

O Estudiantes cresceu aos poucos, avançou como um exército com passos matematicamente coordenados. Quando o Inter percebeu, estava sendo eliminado da Libertadores. González, aos 20 minutos, recebeu belo lançamento em profundidade. A zaga ficou pensando na vida. Abbondanzieri saiu no adversário de qualquer jeito e foi encoberto. A bola viajou por alguns segundos que duraram a eternidade. E entrou. Verón, no meio do campo, ergueu os braços para uma torcida enlouquecida. O lançamento, de antes da linha divisória, havia sido dele, o dono do clube, uma divindade para os torcedores.

Ruim, não? Pois ficou muito pior. Mais um minuto, mais um gol. Enzo Pérez pegou na esquerda do ataque e resolveu que faria o gol. Mandou dali mesmo, como quem não quer nada. A bola fez uma curva e entrou no ângulo esquerdo de um Abbondanzieri surpreso. Golaço. A esperança colorada ruía em dois lances.

Vale repetir: foi só depois disso, aos 30 minutos, que o Inter teve uma chance de gol. Andrezinho, pela direita, mandou na área para Alecsandro pegar de primeira. Orión defendeu. Foi um lance emblemático, porque o Colorado cresceu a partir dele. A equipe gaúcha avançou, passou a ter alguma triangulação na frente, pelo menos cercou a área do Estudiantes, mesmo que não tenha alcançado grandes oportunidades. Já foi um início. O problema é que ter só um início é muito pouco contra um oponente do tamanho do Estudiantes. É preciso ter começo, meio e fim. É preciso ter um time inteiro, não só um argentino.

Gol salvador no final

No segundo tempo, o Inter permaneceu com imensas dificuldades para chegar ao gol adversário. O Estudiantes barravas as poucas investidas do Colorado. Jorge Fossati mandou o time para frente, colocando o atacante Walter no lugar do lateral-direito Nei. E arriscou tudo ao tirar D'Alessandro, que caiu de produção na segunda etapa . Para a entrada de Guiliano.

Aos 43, quando o Inter parecia morto, o milagre colorado aconteceu no meio da fumaceira causada pelos fogos de artifício lançados pela torcida do Estudiantes. Guiliano recebeu lançamento pela direita e chutou cruzado, vencendo o goleiro Orión.  

veja também