MENU

Grêmio perde para o Avaí, mas se garante por saldo de gols

Grêmio perde para o Avaí, mas se garante por saldo de gols

Atualizado: Quinta-feira, 22 Abril de 2010 as 12

A classificação não precisava ter sido tão difícil, mas mostrou que o Grêmio está preparado para a pressão da fase de mata-mata da Copa do Brasil. Nesta quarta-feira, na Ressacada, em Florianópolis, o time de Silas teve de se esforçar para garantir vaga nas quartas de final. Apesar da derrota por 3 a 2, o Tricolor supera o Avaí no saldo de gols e mantém o sonho do pentacampeonato da competição, já que havia vencido no Olímpico por 3 a 1, semana passada. Jonas e Fábio Rochemback marcaram para os gaúchos, enquanto Roberto e Laércio, duas vezes, fizeram para o esforçado time catarinense.

Agora, os gremistas esperam o classificado do confronto entre Fluminense e Portuguesa. No jogo de ida, vitória carioca por 1 a 0. Independentemente do adversário, a segunda partida será disputada em Porto Alegre. A ordem do mando de campo foi determinada por sorteio.    

No domingo, o Grêmio volta a pensar no Campeonato Gaúcho. No Beira-Rio, o time fará o primeiro jogo da final contra o Inter. No mesmo dia, o Avaí também terá uma decisão estadual. O Leão encara o Joinville, na primeira partida, fora de casa.

Na base da pressão, Avaí encurta o caminho

Raivoso, com dentes afiados e mordida dolorosa. O placar de 3 a 1 do jogo de ida, no Olímpico, não permitia outra postura ao Leão. Era preciso vencer por 2 a 0 ou por três de diferença para ir às quartas de final. Pelo clima de rivalidade que cercava a partida, era de se esperar um Avaí alucinado atrás da vitória.

A torcida catarinense também jogou. Antes mesmo de a bola rolar, pegou no pé do técnico Silas, que nos dois últimos anos levou e manteve o Avaí na Série A do Brasileirão. Tudo por conta dos episódios que cercaram o primeiro duelo. O gol que abriu a vitória gremista nasceu de lance irregular, e o treinador pediu a expulsão do meia Caio. Resultado: ganhou uma faixa com a palavra "traíra".

O Avaí foi melhor o tempo todo. Robinho tentou duas vezes de fora da área e assustou Victor. Com velocidade, Davi escapou pelo meio e também arriscou de longe, aos 26, mas a bola se perdeu pela linha de fundo. O Grêmio tentou responder com Willian Magrão, mas o goleiro Zé Carlos afastou o perigo. Do Tricolor, nada mais. O quarteto ofensivo com Douglas, Leandro, Jonas e Borges não apareceu. Sustentados por uma vantagem que não garantia o conforto da certeza da vaga, os gaúchos foram gelados. Plantados na defesa, não armaram um contra-ataque sequer. Empate ou derrota por um gol de diferença bastava, mas tanta passividade parecia uma tática arriscada demais.

Assista aos gols da partida:

Domínio no meio-campo, pressão na saída de bola adversária e ataque em bloco. A área do Grêmio sempre esteve cheia de jogadores do Avaí. Numa dessas invasões, Robinho cobrou falta, a bola bateu na barreira e sobrou para Roberto. Na bomba de pé direito, Victor praticou um milagre, aos 28. Dava até para fazer linha de passe por lá. Aos 36, Rafael cabeceu da pequena área, e o camisa 1 salvou mais uma. Gol era questão de tempo. Aos 44, Uendel fez cruzamento da esquerda, e Roberto nem precisou subir muito para cabecear na área. Sozinho, conseguiu vencer Victor e abrir o placar.

Grêmio acorda, não perde a vaga, mas é derrotado

Jonas. Aí está um jogador fundamental para o Grêmio. Se ele está bem, a chance de o time funcionar cresce. Foi assim no início da segunda etapa. Quando o camisa 7 decidiu jogar, o Tricolor foi forte. Aos seis, Rodrigo brigou pela bola na área adversária, e Jonas ficou com a sobra. De tanta vontade, empurrou o zagueiro adversário antes de cabecear para o gol. A arbitragem anulou o lance corretamente. Era um ensaio. Quatro minutos depois, após cobrança de escanteio, Rodrigo chutou no travessão, e a bola voltou na marca do pênalti. Domínio no peito e chute de direita: quinto gol de Jonas na Copa do Brasil, e 1 a 1 no placar. O Avaí voltava a precisar de dois gols, mas para levar aos pênaltis.

Assim como Jonas, Leandro, Douglas e Borges cresceram no jogo. Em ataque rápido, Borges acertou um bonito chute da entrada da área, mas Zé Carlos pegou. No outro lado do campo, Victor já não era tão exigido. Sinal de que o Avaí sentira o gol.

Silas e Péricles Chamusca decidiram mudar. O gremista tirou Willian Magrão, que já tinha cartão amarelo, e Leandro, que deixou o campo sentindo dores. Fábio Rochemback e Adilson entraram para dar mais força ao meio-campo. No Leão, Medina e Laércio substituíram Davi e Cristian, respectivamente. Funcionou melhor. Aos 27, Roberto avançou pela esquerda da área, passou por Edílson sem qualquer esforço e cruzou. Laércio, livre, fez o segundo. Com o 2 a 1, o Avaí voltava à briga.

Foi por pouco tempo. Mesmo melhor em campo e com o incentivo da torcida, a equipe da Ressacada sofreu um duro golpe. Aos 32, Fábio Rochemback cobrou falta de muito longe. A bomba passou por Zé Carlos sem dar chances: 2 a 2. A classificação se transformava em sonho para o Avaí, que teria de fazer três gols. Só fez mais um. Aos 48, Laércio recebeu na área, nas costas de Edílson, e deixou o terceiro, o segundo dele. Não valeu a classificação, mas rendeu aplausos da torcida. O Grêmio continua.

veja também