MENU

Grêmio recebe propostas e estuda troca no material esportivo

Grêmio recebe propostas e estuda troca no material esportivo

Atualizado: Sexta-feira, 17 Dezembro de 2010 as 1:40

Desde que passou a produzir o material esportivo do Grêmio, em 2005, o trabalho da empresa Puma sofreu contestação de alguns torcedores descontentes com a aplicação de padrões da marca na tradicional camisa tricolor. As listras verticais em azul, preto e branco já sofreram rupturas polêmicas, com inovações de design às costas, como em 2008, ou na gola, ano seguinte.

Para 2011, o Grêmio pode trocar de fornecedora dos uniformes. Sem que a mudança signifique alguma quebra de contrato com a Puma. Isso porque o acordo do clube é com a Fillon, empresa que representa não apenas a atual patrocinadora tricolor, mas também outras marcas nacionais e internacionais no Brasil.

César Pacheco, que deixou a vice-presidência de marketing ao final da gestão Duda Kroeff, explica o funcionamento do acerto:

- O contrato tem três partes, Grêmio, Fillon e Puma. Pode haver uma mudança dentro das marcas representadas pela empresa sem quebra de contrato, mas precisa passar pelo Conselho de Administração do clube.

Empresas interessadas em produzir o material esportivo do Grêmio entraram em contato com a nova diretoria. Com a resistência de alguns tricolores às inovações de design, a condição é igualar ou superar o alto investimento financeiro da Puma e permitir ao clube maior controle sobre a padronagem das camisas, principalmente do modelo tricolor.

A troca, como detalhou Pacheco, precisa ser aprovada pelo Conselho de Administração, formado pelos vice-presidentes recém eleitos na chapa de Paulo Odone. Paulo César Verardi, executivo contratado para gerenciar o marketing gremista, assume o cargo apenas na próxima semana, o que também inviabiliza uma definição imediata.

Especula-se que a Topper tenha oferecido a melhor proposta ao Grêmio. O assunto está sob análise, e a mudança no fornecimento de material esportivo não está garantida. Mas Eduardo Antonini, vice-presidente empossado na última quarta-feira à noite, confirma que há assédio de outras marcas ao clube, e que não seria necessária uma 'quebra de contrato'.

- É possível sim fazer a troca, desde que o Grêmio concorde. Estamos recebendo sondagens de empresas interessadas, propostas, mas não tem nada definido - resumiu, para em seguida completar:

- Isso sempre acontece, é natural em novas temporadas. Os patrocinadores das mangas também nos procuram para conversar, por exemplo, para renovar o contrato.    

veja também