MENU

Inter acha difícil manter Damião, e empresário prevê valor histórico

Inter acha difícil manter Damião, e empresário prevê valor histórico

Atualizado: Quinta-feira, 15 Setembro de 2011 as 4:23

GLOBOESPORTE.COM Porto Alegre A lambreta de Leandro Damião no jogo contra a Argentina, nesta quarta-feira, em Córdoba, quase aumentou para 41 itens a lista de gols do centroavante em 2011. A bola parou na trave, mas valeu, em termos de valorização, como se tivesse entrado. O nome do jogador voltou a ser comentado mundo afora. A valorização do atleta aumenta a cada partida.

Antes do jogo na Argentina, o presidente do Inter, Giovanni Luigi, já previa dificuldades em manter Damião em 2012. O clube elabora um projeto de marketing para aumentar as chances de permanência. Mas está longe de dar isso como garantia à torcida.

A multa rescisória de Leandro Damião é de 50 milhões de euros – R$ 118,5 milhões. O clube já rejeitou propostas que se aproximaram de R$ 47,4 milhões. A diretoria não tem uma noção exata do valor de mercado que o camisa 9 alcançou depois da bicicleta contra o Flamengo, dos dois gols na decisão da Recopa, do primeiro gol pela Seleção Brasileira e das três bolas na rede contra o Palmeiras. Mas acredita que ainda está inferior à multa.

- Não acredito nisso. Sabemos que o mercado europeu não paga valores muito altos por atletas sul-americanos. Eles preferem esperar que o jogador vá para lá, fique uns dois anos e aí seja revendido – disse Luigi.

A diretoria sabe que a janela de janeiro paga, geralmente, menos do que a de agosto, fechada pelo Inter para os interessados em Damião. Mas já avisa que é inevitável vender um atleta no início do ano, e não existe nome mais natural do que o centroavante.

- Não vendemos ninguém em agosto. Não poderemos fugir da próxima janela – completou Luigi.

Damião tem 40 gols na temporada: lambreta ficou no quase (Foto: Roberto Vinicius / Agência Estado)

  Enquanto isso, o empresário de Leandro Damião, Vinícius Prates, prevê um valor histórico para a venda do goleador. Ele acredita que as cifras envolvidas pelo menos se aproximem dos US$ 32 milhões da negociação de Denílson, do São Paulo, para o Betis, da Espanha, em 1998 – em valores atuais, são R$ 54 milhões.

- Ele vai ficar num patamar do negócio mais lucrativo do Rio Grande do Sul. A próxima janela é de reposição, e os clubes não costumam fazer investimentos altos. Mas sabemos a valorização. Acho que ele chega perto do patamar da venda do Denílson – afirmou Prates à Rádio Gaúcha.

A venda mais lucrativa que o Inter já fez foi de outro atacante formado em suas categorias de base. Em 2007, Alexandre Pato rumou para o Milan por US$ 20 milhões – atuais R$ 34,2 milhões.          

veja também