MENU

Inter vence o Cerro, espanta crise e lidera

Inter vence o Cerro, espanta crise e lidera

Atualizado: Quinta-feira, 1 Abril de 2010 as 12

Em vez da crise, a liderança. Sai a desconfiança, entra a esperança. Nada de técnico demitido: bola para a frente. Ao bater o Cerro-URU por 2 a 0 na noite desta quarta-feira, no Beira-Rio, o Inter fez um daqueles jogos que costumam marcar uma trajetória de título. Se o Colorado vai ser campeão da Libertadores ou não, só o tempo dirá. Se for, a partida da noite desta quarta-feira será lembrada com todo o carinho. Foi um daqueles jogos que dividem o ano em dois: o antes e o depois.

Walter, o polêmico Walter, contou com a ajuda do zagueiro Ibañez para fazer o primeiro gol em um Gigante avermelhado por quase 37 mil pessoas. Alecsandro fez o segundo. A vitória não escondeu os problemas de um time que ainda precisa melhorar, e muito, mas o que menos importava era jogar bem. O importante mesmo era ganhar, ir a oito pontos, assumir a liderança do Grupo 5 da Libertadores. E o Inter conseguiu tudo isso.

O Colorado, agora com um ponto a mais que o Cerro, volta a campo pela Libertadores no próximo dia 14, em Guaiaquil, contra o Emelec. No domingo, é a vez de buscar recuperação no Campeonato Gaúcho. A equipe de Jorge Fossati precisa bater o Universidade no Beira-Rio para se classificar.

Tempo x tensão

É como se o tempo fosse colocado em um braço da balança, e a tensão ficasse no outro. Conforme engordava o número de minutos transcorridos no relógio colorado, a tensão subia, subia, subia... E o gol, o tão esperado gol, teimava em não sair. O Inter passou o primeiro tempo insistindo, buscando, martelando. Em vão.

O Colorado foi a campo no 4-4-2. Jorge Fossati desenhou o time com dois articuladores. Tirou o zagueiro Sorondo. E confirmou Walter ao lado de Alecsandro no ataque. Um tanto pela necessidade do resultado, outro bocado pela pressão da torcida, os colorados mandaram na etapa inicial. Deram de cara com um oponente retrancado. E bateram na zaga rival como se ela fosse um paredão feito de carne, ossos e chuteiras. Faltou o gol.

Faltou o gol porque faltou articulação. Mesmo com dois meias bons de bola, o Colorado não conseguiu ligar a saída dos volantes ao ataque. D'Alessandro errou quase tudo que tentou na etapa inicial. Giuliano não foi muito além do argentino. Walter e Alecsandro, como consequência, não foram acionados do jeito que deveriam.

Kleber foi uma boa saída pela esquerda. Aos seis minutos, ele mandou para Guiñazu, que acionou Walter de cabeça. O goleiro Frascareli abafou a jogada nos pés do atacante vermelho. Alecsandro, aos 11, recebeu cruzamento do lateral-esquerdo. Subiu, ajeitou o corpo, posicionou a cabeça. Mas passou em branco. Errou a bola.

Na base do "vamo, vamo, Inter", a torcida esteve ao lado do time enquanto a paciência durou. O berro de gol quase saiu aos 12 minutos. Giuliano tabelou com Walter e recebeu dentro da área. Mas o chute foi para fora. Parecia um sinal de que o gol faria manha, jogaria charme, disfarçaria o possível e o impossível antes de sair. E sairia?

Confira os melhores momentos da partida:

O Cerro ficou na dele. Matou o tempo, usou a paciência como artimanha e a solidez defensiva como veneno. Se D’Alessandro não criou nada, é porque sempre esteve cercado. Se Giuliano não articulou como sabe, é porque jamais teve liberdade. No ataque, os uruguaios se resumiram a chutes de longe e jogadas de bola parada.

A torcida não pode reclamar de falta de esforço. O Inter tentou. E, por isso, saiu de campo aplaudido quando terminou o primeiro tempo. Restava a etapa final. E a tensão subindo, subindo, subindo...

Walter e Alecsandro: alívio no Gigante!

Foram dez dias em casa, longe do Inter, longe do Beira-Rio. Tempo de rebeldia, tempo para pensar na vida, tempo para sonhar, tempo para imaginar como seria pegar uma bola aos 13 minutos da etapa final do jogo contra o Cerro, como seria olhar para a área, como seria mandar o chute, como seria ver a bola desviar em um zagueiro, em um tal de Ibañez, e entrar no gol. Tempo de sobra para delirar com a comemoração de um gol com importância sem tamanho para o Inter. Walter, 20 anos, promessa de atacante diferenciado: o salvador da pátria colorada em seis letras!

O Beira-Rio rugiu com o gol - um pouco de Walter, um pouco de Ibañez - o juiz deu gol contra. Era outra vida. Chega de crise, chega de dúvidas, chega desse papo de seis jogos sem vitória. Aos 13 minutos do segundo tempo, o Inter se tornava o líder do Grupo 5 da Libertadores da América, ficava mais perto da classificação, e se permitia sonhar com o bi continental.

Foi o gol do desafogo. Antes, em erro defensivo, o time colorado quase levou um gol que seria sinônimo de tragédia. Mello saiu na cara de Abbondanzieri, mas Bolívar desviou na hora certa.

O gol de Walter já era alegria suficiente para os colorados. Mas teria mais. Aos 26 minutos, a esperança de vitória virou certeza. D'Alessandro cruzou, Walter desviou, Giuliano girou para o gol. Frascareli soltou. Alecsandro, o típico 9, apareceu para desviar: 2 a 0.

O resto foi resto. O Cerro, muito melhor na defesa do que no ataque, não conseguiu ameaçar o Inter. O time colorado também perdeu a ânsia de balançar a rede rival. O jogo partiu para o fim com clima de alívio no Gigante. Crise? Que crise?

Por: Alexandre Alliatti

veja também