MENU

Irregular, São Paulo faz 1 a 0 no Avaí e precisa empatar para ir à semifinal

Irregular, São Paulo faz 1 a 0 no Avaí e precisa empatar para ir à semifinal

Atualizado: Quinta-feira, 5 Maio de 2011 as 8:10

Com dois tempos completamente distintos, o São Paulo fez a lição de casa no estádio do Morumbi e venceu o Avaí por 1 a 0, em partida que abriu a disputa das quartas de final da Copa do Brasil. O Tricolor Paulista deixou o gramado com a sensação de que poderia ter definido a classificação já no duelo realizado na noite desta quarta-feira. No primeiro tempo foi absoluto em campo e abusou do direito de perder gols. Na etapa complementar, sem repetir o desempenho, o time sofreu com o crescimento do adversário e terminou a partida levando sufoco. Ao visitante restou lamentar o gol contra de Revson e tentar mudar o cenário na partida de volta, na Ressacada, na quinta-feira da próxima semana.

Com o resultado, o Tricolor joga com a vantagem do empate em Florianópolis, mas pode até perder por um gol, desde que marque fora de casa. Para o Avaí, valem dois resultados: repetir o 1 a 0 para levar a decisão para os pênaltis ou vencer por dois ou mais gols de diferença para se classificar.   Tricolor domina primeiro tempo e Renan salva Avaí

No primeiro tempo ficou nítida a falta que Luis Fabiano faz ao time, mesmo sem ter estreado. O São Paulo dominou o Avaí, teve maior volume de jogo, criou várias oportunidades mas, como aconteceu no primeiro tempo da semifinal contra o Santos, no último sábado, pelo Paulista, abusou do direito de perder gols, alguns cara a cara com o goleiro adversário. Quando acertou o pé, parou no inspirado goleiro Renan, da equipe catarinense.

Sem poder contar com o camisa 9, vetado pelo departamento médico, Carpegiani mais uma vez optou por Marlos. O time adiantou seu meio-campo e apostou na velocidade e na troca rápida de passes para encurralar o adversário. Ilsinho e Jean abriam pela direita, Juan e Marlos caíam pela esquerda e Dagoberto atuava mais centralizado. Isso, no entanto, mudava com o passar do tempo. Quando Dagoberto abria pela esquerda, Marlos entrava pelo meio, o mesmo ocorrendo com Jean e Ilsinho pelo outro lado. Essas quatro peças ainda tinham suporte de Casemiro, que chegava pelo meio.   Curiosamente, a primeira chance de jogo foi do Avaí. Aos seis, William escapou em rápido contra-ataque, invadiu a área, mas chutou por cima. No mais, o time catarinense apenas se defendeu. Aos oito, Jean recebeu passe açucarado e chutou em cima da defesa adversária. Aos 17, Dagoberto invadiu a área pela esquerda e bateu de pé direito. A bola raspou a trave e saiu.

O domínio continuou absoluto e o Tricolor seguiu perdendo chances. Aos 29, Ilsinho fez bela jogada pela direita e tocou para Marlos na esquerda. O camisa 11 cruzou, Renan rebateu e, na sobra, Jean acertou a trave direita. Dois minutos depois, Miranda lançou Dagoberto, que cruzou por cima. Aos 34, Marlos arrancou pelo meio, passou por dois marcadores e deu de bandeja para Dagoberto, que parou em Renan, que mandou pela linha de fundo. Na cobrança do escanteio, Alex Silva testou no canto direito do goleiro do Avaí, que fez um milagre e evitou o gol. Aos 39, na última chance, Dagoberto recebeu na área e bateu em cima de Renan, que brilhou mais uma vez.

Vantagem com gol contra e Avaí endurece o jogo no final   Satisfeito com a produção do time, Carpegiani voltou do intervalo sem alterar a equipe. E, para alívio da torcida presente ao Morumbi, tão logo a bola rolou, saiu o gol. Aos três minutos, após cobrança de escanteio de Dagoberto, Revson foi tentar afastar o perigo e cabeceou para dentro de sua própria rede: São Paulo 1 x 0.   (Reveja o gol)

A vantagem não fez a equipe diminuir o ritmo. Pelo contrário. O Tricolor seguiu atuando em alta velocidade. Aos nove, Dagoberto fez brilhante jogada individual, saiu da esquerda em velocidade, avançou pelo meio, passou por dois marcadores e rolou para Jean que, livre na área, chutou em cima de Renan, que fez mais uma grande defesa. O camisa 1 do Avaí voltou a trabalhar aos 14, em arremate de fora da área de Casemiro. O jogo era todo do São Paulo. A partir dos 20 minutos, o Avaí começou a equilibrar a partida. Primeiro, Silas colocou Romano na vaga de Robson. Depois, pôs Felipe, que foi atuar como lateral-direito, na vaga de Marcinho Guerreiro. Com isso, Julinho deixou a lateral e foi para o ataque. Essas mudanças, em um primeiro instante, deram estabilidade à marcação catarinense. Juan e Jean perderam o espaço que tinham para apoiar e, pelo meio, a equipe começou a errar muitos passes.

Para melhorar esse quadro, Carpegiani chamou Rivaldo para a vaga do irregular Marlos que, quando deixou o gramado, foi muito vaiado. Depois, mudou o estilo de jogo da equipe, colocando Willian José no lugar de Ilsinho. Com isso, o time passou a ter uma referência dentro da área. De nada adiantou. O Avaí encaixou a marcação e, depois de parar de sofrer sustos, subiu o seu meio-campo e começou a assustar. No Tricolor, Miranda torceu o tornozelo e deixou o gramado para a entrada de Luiz Eduardo.

Os últimos dez minutos foram de muito nervosismo no Morumbi. O São Paulo aparentava uma tranquilidade que não condizia com o placar. Rivaldo, que entrou para valorizar a posse de bola, não fez o esperado e, com isso, a bola batia no ataque e voltava para a defesa. Aos 36, Julinho chutou e Rogério Ceni defendeu. A passividade da equipe do São Paulo causou a revolta do goleiro e capitão tricolor, que não se cansava de gritar com os companheiros. No fim, alívio pela vitória, mas a torcida não perdoou e vaiou o desempenho da equipe.  

veja também