MENU

Joel considera futuro de Jobson: 'Meu coração começa a sangrar'

Joel considera futuro de Jobson: 'Meu coração começa a sangrar'

Atualizado: Quinta-feira, 9 Dezembro de 2010 as 8:55

Com a confirmação de Joel Santana no comando do Botafogo por mais um ano, Jobson passa automaticamente a ser um assunto do treinador. Mesmo sem ambiente no clube após uma série de casos de indisciplina, o atacante tem contrato até 2015. E o comandante alvinegro ainda analisa se é melhor dar uma nova chance ou se cumpre o desejo inicial da diretoria, que é negociá-lo.

- Quando toco nesse assunto, meu coração começa a sangrar. Gosto do jogador e da pessoa, mas é difícil entender a decisão que está tomando para sua vida. Ele precisa entender que precisa parar de apanhar da vida e que é uma pessoa pública. Além disso, representa uma marca muito forte. Não pode dar sequência ao que vem acontecendo para jogar fora a vida dele nem a daqueles que dependem dele. Seria importante que ele ficasse, mas desde que siga o que vamos colocar. Lembro que acima de mim existe uma marca que não pode ser manchada - afirmou.

Internamente, o Botafogo reconhece que, diante de tantos problemas, o melhor é negociar Jobson. A ideia inicial é fazê-lo em definitivo, já que a multa rescisória para clubes brasileiros é de aproximadamente R$ 14 milhões. Caso não haja acerto, pode haver o empréstimo ou troca.

Nos próximos dias, a diretoria do Botafogo espera receber uma ligação de Luiz Felipe Scolari ou de algum membro da diretoria do Palmeiras, que mostrou-se interessado em Jobson. Não está descartada uma troca por mais de um jogador. As opções seriam Vítor, Lincoln e Ewerthon.

- Estamos mantendo contato com os empresários do Jobson, mas este caso precisa ser muito bem pensado porque envolve a imagem do Botafogo e pode refletir no elenco. Vamos primeiro conversar com o Joel e saber o que ele acha - disse o vice de futebol do Botafogo, André Silva.

Além do Palmeiras, Panathinaikos, da Grécia, assim como um clube da Bulgária e outro da Hungria demonstraram interesse em Jobson.

Por: Gustavo Rotstein

veja também