MENU

Juninho se despede salvando Ituano com virada e eliminando a Lusa

Juninho se despede salvando Ituano com virada e eliminando a Lusa

Atualizado: Quinta-feira, 8 Abril de 2010 as 12

Com o Canindé sem o público que merecia para um jogo decisivo na noite desta quarta-feira - foram registrados 503 pagantes - a Portuguesa precisava vencer e ainda torcer por derrotas de Grêmio Prudente e São Paulo, além de pelo menos um empate do Corinthians com o Rio Claro. A dona da casa não foi ajudada pelos adversários, e pior: não fez a sua parte. Melhor para o Ituano, que após estar perdendo por 2 a 0, conseguiu virar para 3 a 2 e escapou do rebaixamento, justamente na noite da despedida do pentacampeão Juninho Paulista. O gol salvador veio dos pés de outro pentacampeão: Roque Júnior.

Aos 37 anos, Juninho deixou o futebol com a permanência na primeira divisão do Paulistão e agora vai se dedicar à parte administrativa do clube de Itu. Ele foi pentacampeão mundial em 2002 com a seleção brasileira - na época defendia o Flamengo - e da Libertadores e do Mundial pelo São Paulo em 1993. Além disso, acumulou entre os títulos mais importantes da carreira um Brasileiro e uma Mercosul com o Vasco, em 2000.

A Lusa despediu-se do Paulistão com 31 pontos, na sexta posição, e com muitas críticas vindas das arquibancadas. O visitante chegou aos 21 e terminou na 13ª posição.

Lusa arrasadora no primeiro tempo

A Portuguesa abriu o placar logo aos dois minutos. Paulo Sérgio cobrou falta do lado esquerdo da área, e Thiago Gomes raspou a cabeça nela: 1 a 0. A anfitriã era mais agressiva e criava as melhores oportunidades, mas esbarrava na retranca do Ituano, que confiava apenas nos longos chutes de Juninho para tentar o empate.

Após várias tentativas com Héverton, Luís Ricardo e Luís Carlos, este último ampliou para a Lusa. Aos 33 minutos, ele aproveitou uma cobrança de falta novamente de Paulo Sérgio, desta vez pelo bico direito da grande área, e de cabeça ampliou: 2 a 0. A dona da casa foi para o intervalo com a vitória parcial, mas lamentando os triunfos momentâneos de Grêmio Prudente e São Paulo, que batiam São Caetano e Santo André, respectivamente.

Confira os lances da partida:

Juninho brilha, e Roque salva Ituano do rebaixamento

O pentacampeão Juninho não sabia se conseguiria virar o jogo na sua despedida, mas pelo menos diminuiu para o Ituano logo aos três minutos do segundo tempo. De fora da área, ele arriscou um lindo chute e mostrou que está com a pontaria em dia, acertando a rede de Fábio: 2 a 1.

O gol de Juninho e a chuva fina e fria que caía no Canindé animaram o Ituano, que passou a atacar mais a Lusa. O técnico Doriva tirou um zagueiro (Jean Pablo) no intervalo para a entrada de mais um atacante: Alan. A anfitriã ainda ajudou o adversário ao ter Guilherme expulso aos oito minutos pelo segundo amarelo após falta dura. Com um homem a mais, o visitante se pôs totalmente na frente, disposto a tentar evitar o rebaixamento.

A Lusa ainda arriscava nos contra-ataques e exigia boas defesas de Eder, como no chute de Biscayzacu, aos 17. Mas a grande chance de novo gol foi do Ituano. Roque Júnior sofreu falta na meia-lua. Juninho ajeitou com carinho, e Fábio espalmou com precisão, arrancando aplausos dos torcedores.

Mas a pouca torcida da Lusa não terminou a noite nada feliz: aos 34, Lincoln, que havia acabado de entrar na partida, aproveitou uma sobra na área e empurrou a bola para dentro: 2 a 2. Como o Rio Claro perdia para o Corinthians por 4 a 1 até o momento, o Ituano se salvava do rebaixamento com o empate. Mesmo assim, o visitante seguiu pressionando e fez o gol da vitória aos 39: Roque Júnior invadiu a área e encheu o pé para estufar a rede de Fábio: 3 a 2. Na comemoração, o zagueiro, seguido pelos companheiros, chutou e quebrou uma placa de publicidade.

A noite de despedida não poderia ter sido melhor para Juninho, ainda mais com o presente do companheiro. Ao fim da partida, todos os jogadores se abraçaram muito e exaltavam Juninho, o dono da noite.

- A melhor coisa que tem no futebol é jogar. Ser administrador não é como entrar em campo. Mas a hora chega, é difícil parar, o corpo não aguenta mais. Hoje (quarta) até segurei o jogo todo, e foi muito especial. Por isso que eu falo para os garotos: aproveitem, porque não sabem quando chegará esse momento de parar - avisou o pentacampeão mundial, com os olhos cheios de lágrimas.

Já para os jogadores da Portuguesa e para o técnico Vágner Benazzi sobraram xingamentos, gritos irônicos de "olé" e de "timinho", além de muita decepção no quase vazio Canindé.

Por: Carolina Elustondo

veja também