MENU

Kleber marca, Obina também: Galo e Verdão empatam em Sete Lagoas

Kleber marca, Obina também: Galo e Verdão empatam em Sete Lagoas

Atualizado: Quinta-feira, 28 Outubro de 2010 as 8:37

Na primeira decisão por uma vaga na semifinal da Copa Sul-Americana, Atlético-MG e Palmeiras entraram em campo com pensamentos diferentes para um mesmo objetivo. E ao escalar a força máxima diante do mistão do Galo, que prioriza a fuga do rebaixamento no Brasileirão, o Verdão, cujo principal objetivo é conquistar o torneio sul-americano e, assim, disputar a Libertadores em 2011, acabou conseguindo uma pequena vantagem. O empate em 1 a 1 - gols de Kleber e Obina - na noite desta quarta-feira, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, fará com que a equipe alviverde jogue por um empate sem gols no jogo de volta das quartas de final, no dia 10 de novembro, em São Paulo. Novo placar de 1 a 1 levará a decisão da vaga para os pênaltis, e qualquer empate por dois ou mais gols classifica o time alvinegro.

O duelo em Minas foi marcado por polêmicas na etapa final, e os palmeirenses deixaram o campo revoltados com a arbitragem. Marcelo de Lima Henrique marcou pênalti de Jairo Campos em Lincoln, mas voltou atrás depois que o auxiliar Alessandro Álvaro Rocha Matos o avisou que o alviverde estava em condição ilegal. Os visitantes ainda reclamaram bastante do pênalti marcado em Obina, que foi deslocado no ar por Mário Araújo. Nos dois lances, a arbitragem agiu corretamente, mas após o apito final, o técnico do Palmeiras, Luiz Felipe Scolari, foi ao delegado do jogo fazer um protesto, que não foi aceito.

Antes de voltarem a se enfrentar no segundo e decisivo jogo pela classificação à semifinal, os dois times voltam as suas atenções para o Campeonato Brasileiro. O Atlético-MG recebe o Botafogo na Arena do Jacaré, e o Palmeiras enfrenta o Goiás na Arena Barueri. Ambas as partidas serão realizadas sábado, às 18h30m (de Brasília).

Ritmos diferentes

Atlético-MG e Palmeiras começaram a partida da maneira como estão encarando a Copa Sul-Americana. O Galo, com um time mesclado, parecia menos interessado e desligado no jogo, enquanto o Verdão, com sua força máxima, buscava o gol desde os minutos iniciais. A primeira grande chance dos paulistas surgiu aos seis minutos. Marcos Assunção deu lindo passe para Kleber, que invadiu a área e tocou na saída de Renan Ribeiro. O jovem goleiro atleticano fez bela defesa e evitou o primeiro gol do jogo.

Assista aos gols da partida:

O Palmeiras continuou melhor em campo, mas sem conseguir penetrar novamente na área atleticana. O Galo, por sua vez, tentava crescer e equilibrar as ações no meio-campo. Aos 20, os donos da casa chegaram com perigo, pela primeira vez. Ricardo Bueno achou Neto Berola sozinho na área, e o atacante baiano finalizou para boa defesa de Deola. A esta altura do jogo, o Palmeiras já não contava com Valdivia. O chileno sentiu novamente uma lesão muscular na coxa esquerda e deu lugar a Lincoln, revelado nas categorias de base do Atlético.

O Galo também sofreu uma importante baixa. Daniel Carvalho, sentindo dores na coxa, saiu para a entrada do garoto Nikão. Os minutos finais do primeiro tempo foram equilibrados. Tanto Galo como Verdão marcaram presença no campo de ataque adversário, mas sem assustar.

Polêmica e muita emoção

A etapa final começou com outro ritmo: acelerado. Obina substituiu Neto Berola, e sua entrada em campo foi festejada como um gol pela torcida do Galo. Mas quem comemorou primeiro foi o Alviverde. Aos nove, Kleber recebeu na esquerda do ataque palmeirense, tabelou com Tinga e bateu para abrir o placar na Arena do Jacaré. O Gladiador festejou mais um gol marcado contra o Atlético-MG, confirmando a fama de carrasco do Galo que carrega desde os tempos de Cruzeiro.

O gol do adversário fez com que o Atlético se abrisse e partisse com mais ímpeto para o ataque, o que abriu espaços para os contra-ataques do Verdão. Como aos 15, quando Tinga recebeu de Márcio Araújo e bateu para o gol. Renan Ribeiro se esticou todo e salvou o Galo. Cinco minutos depois, um lance polêmico. Lincoln ganhou de Jairo Campos, invadiu a área e foi derrubado pelo equatoriano. Marcelo de Lima Henrique marcou o pênalti e deu cartão amarelo para o zagueiro. Porém, o auxiliar Alessandro Álvaro Rocha Matos o chamou e disse que Lincoln estava impedido. O árbitro voltou atrás e anulou a marcação do pênalti, o que gerou muitas reclamações do Palmeiras. Mas o meia alviverde estava realmente em posição ilegal.

O pênalti não marcado incendiou a Arena do Jacaré. O Atlético partiu pra cima e conseguiu duas boas chances de gol. Aos 23, Obina avançou pela direita e cruzou para Ricardo Bueno. Deola se esticou todo e evitou que a bola chegasse ao seu destino. Dois minutos depois, Diego Souza invadiu a área pela direita e bateu forte, para sensacional intervenção do goleiro do Verdão.

Tanta pressão do Galo só poderia resultar no empate, ainda que tenha gerado mais polêmica. Aos 26, Márcio Araújo deslocou Obina na área, após cruzamento da direita, cometendo infantilmente um pênalti no jogador atleticano. O árbitro acertou na marcação da penalidade, que Obina cobrou para deixar tudo igual na Arena do Jacaré. E apenas quatro minutos depois, por causa das várias reclamações do time do Palmeiras.

O jogo seguiu num ritmo alucinante, ora na área de Deola, ora na área de Renan. Mas o placar seguiu inalterado, o que deixou a decisão da vaga aberta para o confronto em São Paulo.

Por: Marco Antônio Astoni

veja também