MENU

Loco Abreu está a 20 jogos de fazer do Botafogo a sua casa

Loco Abreu está a 20 jogos de fazer do Botafogo a sua casa

Atualizado: Quarta-feira, 9 Fevereiro de 2011 as 9:32

O apelido é Loco, mas bem que poderia ser cigano. Em 16 anos de carreira profissional, Loco Abreu passou por 17 clubes. Em quase todos deixou seu nome marcado por gols e títulos conquistados, mas em nenhum deles criou raízes pelo tempo de casa – a não ser o Nacional do Uruguai, do qual é torcedor fanático. O Botafogo, entretanto, pode ser o primeiro deles. Se cumprir seu contrato, que termina em dezembro de 2011, fará da camisa Alvinegra a que mais vezes vestiu.

Depois do clássico contra o Fluminense, no último domingo, Loco Abreu chegou a 31 gols em 53 partidas pelo Botafogo. O clube que mais vezes defendeu foi o San Lorenzo, da Argentina – 72 vezes, segundo a estatística do site oficial do atacante. Assim, faltam apenas 20 partidas para que o uruguaio faça de General Severiano o seu principal endereço.

Para Maurício Assumpção, este aspecto, entretanto, não é um privilégio de Loco Abreu. Segundo o presidente, o Botafogo é um clube que tem como característica cativar os jogadores, criando identificação e fortes vínculos.

- O Alessandro acabou de completar 200 jogos, e o Leandro Guerreiro deixou o clube chorando, planejando retornar como dirigente. O Botafogo é capaz de criar uma relação diferenciada, e isso é algo que não é de hoje. Existe um grande carinho dos jogadores com a torcida e com os funcionários - destacou.

Quando o assunto é média de gols, entretanto, os números de Loco Abreu no Botafogo ainda estão abaixo do desempenho em outros clubes. A estatística mais favorável do camisa 13 é no Cruz Azul, do México, onde marcou 46 gols em 52 partidas, com média de 0,89. No Alvinegro, a média é de 0,58. A pior é da breve passagem pelo Beitar Jerusalém, de Israel, pelo qual atuou na temporada 2008/09. O uruguaio passou em branco nas cinco partidas disputadas.

Loco Abreu também conseguiu deixar seu nome gravado na história da seleção do Uruguai. Não apenas na cavadinha da cobrança de pênalti que levou a Celeste à semifinal da Copa do Mundo da África do Sul. O atacante é o segundo maior artilheiro, com 30 gols em 65 jogos. Um a menos que Hector Scarone, que defendeu o Uruguai até 1930. O atacante do Botafogo tem um de vantagem sobre Diego Forlán, eleito melhor do jogador do Mundial de 2010.   Por: Gustavo Rotstein

veja também