MENU

Loco nega que tenha pensado em ser técnico e aposta em Libertadores

Loco nega que tenha pensado em ser técnico e aposta em Libertadores

Atualizado: Sexta-feira, 25 Novembro de 2011 as 3:30

O cabelo está mais curto. Mas o jeito polêmico é o mesmo de sempre. Em entrevista exclusiva ao Globo Esporte, Loco Abreu garante que técnico não ganha jogo. No máximo, colabora ou prejudica a equipe. Ele também garante que jamais aceitaria substituir Caio Júnior por ter respeito ao treinador . - Quem decide é o jogador, quem bota a bola no gol é o jogador. O que o treinador faz é ajudar ou atrapalhar o time. Se eu pego (o cargo), muita gente podia começar a fazer matéria de que eu queria derrubar o treinador. Pelo respeito que tenho ao Caio, se falassem para mim, eu diria prefiro não fazer, não por medo ou ética, mas por respeito - garantiu. - garantiu o atacante do Botafogo.

Para o camisa 13 do Botafogo, o time deve se classificar à Taça Libertadores.

- A gente ganhando o nosso confronto com o Atlético-MG, eu acredito sinceramente que dá para pegar. Mas não dá para saber o que passa na cabeça do torcedor. Eu posso dizer que a gente vai até o fim - declarou.

Apesar de não sido alvo da fúria da torcida alvinegra, como a companheiro Alessandro e o ex-técnico Caio Júnior, o centroavante reconhece como a torcida é passional.

- O torcedor tem isso: xingou o Joel e agora está pedindo que ele volte. Há situações em que o treinador analisa se é melhor continuar ou sair. Acho que ali não foi uma decisão unilateral da diretoria falar tem que sair. Se foi o momento certo, bom ou ruim, é difícil saber - afirmou.

Vaidade à parte, Loco Abreu confessa que alisa o cabelo para melhorar o visual. Ele destaca que todo jogador deve se preocupar com a imagem e ressalta que, no caso dele, é importante para regar o casamento de 12 anos.

- Senão sua mulher faz tudo e você não. Vai chegar uma hora que como falam os cariocas: (você) vai tomar bola nas costas - brincou.

Um uruguaio cada vez mais carioca, ainda mais depois da homenagem que recebeu nessa semana na Câmara Municipal do Rio de Janeiro como Cidadão Honorário.  No entanto, na opinião do jogador, o Glorioso não deve mudar a forma de jogar com a entrada do técnico interino Flávio Tenius.

- O Flávio trabalhou com o Caio e quer trabalhar na mesma forma porque acredita e a gente acredita - defendeu.

veja também