MENU

Marcus Salum pretende usar Mineiro como laboratório para o América-MG

Marcus Salum pretende usar Mineiro como laboratório para o América-MG

Atualizado: Segunda-feira, 20 Dezembro de 2010 as 9:22

Ele foi do céu ao inferno em três anos. Hoje, comemora o fato de ser presidente de um dos 20 times da elite do futebol brasileiro. Marcus Salum é o homem forte do América-MG, clube que subiu para a Série A neste ano.

Para 2011, Salum mostra preocupação com as receitas e despesas, além da formação de uma equipe competitiva para disputar entre as melhores equipes do Brasil.

- Vamos ter, mais ou menos, uns R$ 20 milhões entre cotas e patrocínios para receber em 2011. Mas se as receitas aumentam, as despesas também, porque terei que pagar salário maior para os jogadores, reformas no centro de treinamento, entre outras coisas – declarou.

Sobre reforços, Salum não adianta nenhum nome, mas traça um plano para reforçar o grupo.

- Nossas contratações serão em duas etapas. Traremos três ou quatro jogadores e vamos utilizar o Campeonato Mineiro como um teste para eles. Depois, vamos buscar mais reforços, caso seja necessário, para o Brasileiro – revelou.

Salum espera acertar a permanência do lateral-direito Marcos Rocha, emprestado pelo Atlético-MG para a disputa da Série B. O jogador foi eleito o melhor da posição no campeonato.

- Primeiro, eu quero ouvir o próprio Marcos definir se quer mesmo jogar pelo América. O que eu já ouvi é que ele quer continuar conosco. Estou esperando ele definir onde quer jogar para a gente sacramentar sua permanência.

O dirigente explicou como andam as negociações para a contratação do atacante Daniel Lovinho, que disputou a Série B pela Ponte Preta.

- Já está tudo certo entre a gente. O que está acontecendo é um impasse entre o empresário do jogador e o Palmeiras (o atleta pertence ao clube paulista). Mas a gente espera que tudo se resolva no início da semana – explicou.

Marcus Salum não esquece de criticar a diferença de cotas para os clubes da Série A.

- O América vai ganhar um terço do que Cruzeiro e Atlético vão ganhar de cotas de patrocínio. E um quarto do que Corinthians e Flamengo ganham. É muito difícil fazer futebol. Sempre digo que se você fizer tudo certo no futebol, pode não dar certo. E se você fizer alguma coisa errada, com certeza vai dar tudo errado – concluiu

veja também