MENU

Milan repete Seleção na Copa América, e Inter vence nos pênaltis

Milan repete Seleção na Copa América, e Inter vence nos pênaltis

Atualizado: Quarta-feira, 27 Julho de 2011 as 3:28

O Inter repetiu nesta quarta o roteiro do jogo da véspera, contra o Barcelona. A diferença ficou para os pênaltis. Se na terça Damião e Zé Mário lembraram a Seleção na Copa América, mandando pelo alto, nesta quarta foi o Milan que repetiu o que parecia impossível, perdendo quatro cobranças como o Brasil contra o Paraguai. 

Damião não estava mais em campo. Zé Mário também não. E brilhou a estrela de Renan, em baixa desde que perdeu a posição para Muriel. O goleiro pegou logo os dois primeiros pênaltis, batidos por Valoti e Cassano. Oddo mandou na trave em seguida. Renan pegou o do ex-colorado Pato e fechou a partida - D'Alessandro e Nei haviam marcado para o Inter, com Glaydson mandano nas mãos do goleiro Roma.

Além do terceiro lugar, o Inter deixa a Alemanha com perspectiva de lucro. Depois da derrota para o Barcelona, Leandro Damião afirmou que não estava cansado e pretendia jogar os 90 minutos contra o Milan. A busca pela valorização no mercado europeu estava implícita, com aval do Inter. Quase todos os titulares foram poupados nesta terça - só Bolívar e o camisa 9 começaram jogando. O atacante não ficou o tempo todo em campo, mas sua missão foi cumprida. Foi dele um dos gols, seu segundo gol em dois jogos na Alemanha. A torcida colorada já pode se acostumar com a ideia de ter Jô como principal referência no ataque.

Com o fim da participação no torneio em Munique, o Inter volta ao Brasil para enfrentar ao Atlético-GO no próximo domingo, às 16h, no Beira-Rio. Damião não joga. Cumprirá suspensão pelo terceiro cartão amarelo.

Milan abre placar com dois minutos

Com dois minutos de jogo, o Inter mostrou vocação para levar golaços neste torneio em Munique. Depois da jogada ensaiada que terminou com o gol de Thiago Alcântara na terça, o Milan abriu o placar em grande lance do trio Robinho, Seedorf e Ibrahimovic. O brasileiro tabelou com o holandês e cruzou para o sueco concluir de letra. Aos 9, Ibrahimovic por pouco não fez o segundo. Recebeu livre na área, mas girou mal e furou.

Ibra recebe abraço de Robinho e Seedorf: trio brilhou no primeiro gol da partida (Foto: Agência Reuters)    

Parecia desenhada uma derrota contundente. Se o Inter estava desfigurado, o Milan tinha quase sua força máxima. Pato e Robinho se deslocavam constantemente, talvez tentando mostrar força ao público brasileiro depois da eliminação precoce na Copa América. Para azar dos rubro-negros, Damião também queria jogo. Nem a forte entrada de Gattuso logo no começo intimidou o atacante. Aos 22, Gilberto arrancou pela direita e deixou Yepes para trás. Damião se antecipou a Thiago Silva no cruzamento rasteiro e empatou. A tesouraria do Beira-Rio agradecia.

O empate aumentou  a confiança colorada. Mesmo com a saída precoce de Gilberto, machucado, o time continuou atacando pela direita, com Lucas Roggia. Osmar Loss conseguia deixar o time taticamente bem fechado. Ironicamente, antes do jogo o telão anunciou Celso Roth como o comandante colorado, em vez do atual interino. Mas o 4-4-1-1 de Osmar bem que poderia ser mesmo assinado pelo técnico demitido no primeiro semestre.

O Milan passava a ter dificuldades para atacar, e apelava para faltas duras em a

lguns momentos. O cenário mudava a favor do Inter. Tirando um chute para fora de Robinho e um lançamento que Pato dominou errado, não houve mais perigo para Renan até o fim do primeiro tempo. Se na véspera o Barça terminou a etapa inicial com 69%, nesta terça o Milan teve 58%.

D'Alessandro substitui Damião e marca

No início da segunda etapa, o Inter contou com a sorte em dois chutes seguidos de Pato. No primeio, depois de falha da zaga, o atacacante recebeu livre e mandou na trave. Logo depois, arrematou rente ao poste, com Renan batido.

Sustos à parte, o Inter continuava tentando controlar o jogo. Loss voltou do intervalo com Andrezinho no lugar de Zé Mário. A ideia era incomodar mais o Milan. Aos 13, Lucas Roggia escapou pela direita e cruzou para Damião, que por pouco não fez o segundo. Logo depois, o atacante se estranhou com Thiago Silva ao tentar ganhar um lance na área.

Enquanto a torcida vaiava o desentendimento dos brasileiros, o Milan construiu mais uma bela troca de passes, como no primeiro gol.  Robinho tabelou com Ibra e rolou limpa para Pato marcar contra seu ex-clube. O atacante não comemorou. Robinho vibrou pelos dois. 

Logo em seguida, muitas mudanças. Loss decidiu tirar Damião, que já dava sinais de cansaço.   D'Alessandro entrou e fez o gol de empate, aproveitando rebote de Thiago Silva em chute de fora da área. À espera da final contra o Barcelona no jogo principal, a torcida local comemorou o gol colorado. Do outro lado havia entrado Boateng, irmão de Jerome Boateng, defensor do Bayern. Os dois têm histórico de relacionamento conturbado. O Boateng do Milan foi vaiado a cada toque na bola.

No embalo da torcida, o Inter ainda teve mais uma chance com D'Alessandro, em perigoso chute de fora da área. Boateng também quase calou as vaias, mas furou uma bola quicando na área. E o jogo foi para os pênaltis, para alegria dos alemães, que aplaudiram as defesas de Renan.          

veja também