MENU

Mineirinho tira 9,67 e 9,27, mas cai diante de Taj

Mineirinho tira 9,67 e 9,27, mas cai diante de Taj

Atualizado: Terça-feira, 8 Março de 2011 as 10:33

No início da manhã, Adriano de Souza lamentava pela prancha quebrada e a queda para a repescagem . Depois de um longo dia de espera, voltou a Snapper Rocks inspirado. Tirou um 9,27, beirou a perfeição com a maior nota do campeonato - 9,67 -, mas saiu da água com outra derrota. Taj Burrow, atual campeão da etapa de abertura do Circuito Mundial, conseguiu o que parecia impossível. O australiano, que já tinha 9,63, virou o duelo com 9,43 quando precisava de 9,32. Com a eliminação de Mineirinho, o único brasileiro é Alejo Muniz , classificado às quartas de final por antecipação ao derrotar justamente Taj, além de Joel Parkinson, na fase anterior. A chamada será nesta segunda, às 18h (de Brasília).

Pouco antes, o maior surfista de todos os tempos deu fim a dois anos de frustrações na Gold Coast. O americano Kelly Slater conseguiu escapar da repescagem ao vencer o aussie Adrian Buchan. Logo depois, o português Tiago Pires – com visual novo, careca como Slater – se garantiu nas quartas ao eliminar o taitiano Michel Bourez. Na última bateria, o sul-africano Jordy Smith bateu o local Joel Parkinson. Ele, assim como Mineiro, tirou 9,67, mas foi eliminado. No feminino, a havaiana Carissa Moore garantiu o título ao vencer uma final adolescente.

Na terceira bateria da repescagem, a torcida era toda para Taj. Mineirinho não parecia dar bola. Abriu o duelo com uma bela onda, finalizou-a com um floater e foi recompensado com 9,27. O aussie não demorou a dar o troco. Explorou como pôde uma direita e ganhou 8,17. Na segunda onda, não perdoou: 9,63.

O brasileiro buscava 8,54. Deixou passar uma onda, e Taj, em situação confortável, acelerou, mas acabou caindo da prancha. Mineirinho foi na que veio atrás, pegou um longo tubo e comemorou ao sair da parede. A direita continuava se abrindo, e ele seguiu aplicando batidas e cutbacks. Comemorou muito. Os juízes não economizaram: 9,67. O australiano agora teria que tirar 9,32.

O que parecia impossível se concretizou. Os gritos da torcida anunciavam o que os juízes tinham acabado de revelar: Taj ganhou 9,43. Faltavam oito minutos. A situação mudava novamente - Adriano corria atrás de 9,39. Tentou um alto aéreo, mas caiu no pouso. Não teve forças para inverter o resultado.

Slater afasta fantasma

Kelly Slater se garante nas quartas de final

(Foto: Divulgação ASP)   Logo depois do título de Carissa, Kelly Slater abriu a repescagem. E ele estava com Snapper Rocks engasgado. Depois da vitória em 2008, só acumulou campanhas ruins na Gold Coast. Em 2009, foi derrotado na terceira fase pelo aussie Julian Wilson, então convidado. No ano passado, terminou em nono ao perder nas oitavas para o sul-africano Jordy Smith.

Nesta segunda-feira, Slater tentou começar o show antes mesmo do início da bateria. Deu um aéreo. Era só o aquecimento. Mas quando o cronômetro começou a andar, quem largou na frente foi Buchan - apenas 2,17. Kelly remou para a de trás e ficou mais tempo na onda. Deu algumas rasgadas, cutbacks, uma mistura de manobras e tentou finalizar com um 360. Não conseguiu. Levou 7,50.

Com prioridade, Ace achou um tubo, completou com cutbaks e rasgadas. Só largou a onda quase na areia: levou 7,33. Slater tentou dar o troco, mas foi direto para a espuma (3,50). O aussie pegou um outra onda, fraca, mas conseguiu trocar a menor nota por 4,17. Sua liderança era apertada - o americano só precisava de 4,00 para virar. Mas o decacampeão do mundo desperdiçou a prioridade que tinha em uma onda pequena, com dois pequenos tubos e uma queda: nota 5,00.

A virada de Slater durou pouco. Ace foi na onda que vinha atrás. Ganhou 8,27 e deixou o carequinha precisando de 8,11. Ele se precipitou em outra onda e novamente caiu da prancha.

A dez minutos do fim, foi a vez de Ace desperdiçar a prioridade. Somou 5,43, nota que não servia para seu somatório (valem apenas as duas melhores).

Quatro minutos depois, Slater foi atrás da nota de que precisava. Destruiu uma onda - batidas fortes no lip da ondas e cutbacks - e, com pressa, levantou a mão direita, pedindo ao jet ski para levá-lo de volta ao outside. Virou, por pouco: 8,30. Ace teria 2m47s para achar uma onda que lhe rendesse 7,54.

Uma onda salvadora se formou, mas o australiano teve dificuldade de aproveitá-la. Tentou um aéreo no fim, mas não convenceu os juízes: 6,60.

Quartas de final:

1. Dusty Payne (HAV) x Kelly Slater (EUA)

2. Matt Wilkinson (AUS) x Tiago Pires (POR)

3. Brett Simpson (EUA) x Taj Burrow (AUS)

4. Alejo Muniz (BRA) x Jordy Smith (AFS)

Quinta fase - repescagem:

1. Kelly Slater (EUA) 15,80 x 15,60 Adrian Buchan (AUS)

2. Tiago Pires (POR) 13,27 x 12,94 Michel Bourez (TAH)

3. Taj Burrow (AUS) 19,06 x 18,94 Adriano de Souza (BRA)

4. Jordy Smith (AFS) 16,67 x 16,17 Joel Parkinson (AUS)

Quarta fase masculina:

1. Dusty Payne (HAV) 14,087, Adrian Buchan (AUS) 11,83, Tiago Pires (POR) 11,80

2. Matt Wilkinson (AUS) 13,53, Michel Bourez (TAH) 11,14, Kelly Slater (EUA) 11,06

3. Brett Simpson (EUA) 16,60, Adriano de Souza (BRA) 15,63, Jordy Smith (AFS) 13,87

4. Alejo Muniz (BRA) 15,23, Joel Parkinson (AUS) 12,76, Taj Burrow (AUS) 11,56

  Por GLOBOESPORTE.COM Gold Coast, Austrália

veja também