MENU

Muricy rejeita rótulo de retranqueiro e exalta o drible em seu início no Peixe

Muricy rejeita rótulo de retranqueiro e exalta o drible em seu início no Peixe

Atualizado: Quarta-feira, 20 Abril de 2011 as 9:49

O técnico Muricy Ramalho, hoje no Santos, sempre disse que detesta ser rotulado. Ele é tetracampeão brasileiro - conquistou três campeonatos nacionais com o São Paulo (2006, 2007 e 2008) e um com o Fluminense (2010) - e, mesmo com currículo vencedor, nunca conseguiu fugir do carimbo de retranqueiro. É visto como técnico que prioriza sistemas defensivos e que só joga base do chuveirinho.

Pois no Santos, ele parece dar mostras de que não é tão ortodoxo quanto seus críticos pensam. Ao conhecer de perto o leve time do Santos, com Paulo Henrique Ganso e Neymar, o treinador tem se dedicado a valorizar o improviso. Afirma que o Peixe tem craques imprevisíveis e muito habilidosos e que isso está acima de qualquer esquema.

- São jogadores técnicos, de drible. Quando se enfrenta adversários fechados, o drible é muito importante. Eu tenho de incentivar isso. Na hora de achar o espaço, jogadores como Ganso e Neymar são fundamentais, pois são diferentes, pensam rápido - afirma o treinador.

Muricy até tentou ensaiar uma adaptação do Santos a seu estilo. Na véspera do jogo contra o Cerro Porteño-PAR, na última quinta-feira, em Assunção, o treinador confirmou as escalações de Diogo e Keirrison no ataque, dois jogadores altos, de presença na área, e passou boa parte do treino, realizado no estádio General Pablo Rojas, treinando jogadas aéreas.     No entanto, o acaso tratou de fazer o Peixe voltar a jogar como está acostumado. Diogo se machucou ainda no primeiro tempo do confronto contra os paraguaios e foi substituído pelo leve Maikon Leite, que entrou muito bem, jogando com a bola no chão, e marcou o segundo gol da vitória santista por 2 a 1.

- Eu não tenho a intenção de chegar aqui e mudar tudo. O Santos tem um estilo muito característico. É uma equipe que ataca muito, joga em velocidade. Eu preciso respeitar isso. O que estou fazendo agora é só tentar dar um pouco mais de organização, pois estávamos correndo muitos riscos. Mas não quero que o time perca o que tem de melhor, que é a técnica - explica.

Por enquanto, tem dado certo. Em três jogos sob o comando do novo treinador, o Peixe venceu dois e empatou um. Foram cinco gols marcados e apenas um sofrido. O ataque funciona como sempre e a defesa agora é mais sólida. Resta saber se vai durar.

Nesta quarta-feira, às 19h30m (horário de Brasília), o Santos enfrenta  o Deportivo Táchira-VEN, pela Taça Libertadores. Mais uma chance de ver esse novo Peixe. Uma combinação do pragmatismo de Muricy com o improviso dos Meninos da Vila. O GLOBOESPORTE.COM acompanha todos os lances em Tempo Real, com vídeos exclusivos. O SporTV transmite ao vivo para todo o Brasil.      

veja também