MENU

Na base da disposição, Avaí vira para cima do Figueirens

Na base da disposição, Avaí vira para cima do Figueirens

Atualizado: Segunda-feira, 29 Agosto de 2011 as 8:34

Depois de 35 anos, Figueirense e Avaí voltaram a se enfrentar pela Série A do Campeonato Brasileiro . E, num duelo eletrizante no Orlando Scarpelli, os visitantes mostraram muita disposição para virar o jogo e vencer por 3 a 2, com gols de William (dois) e Lincoln - Ygor e Júlio César marcaram para os donos da casa. Depois de estar duas vezes na frente do placar, o alvinegro, mesmo mais organizado, com mais posse de bola e com quase o triplo de finalizações, acabou surpreendido pelo rival, que, agora, chega aos 17 pontos, na 18ª colocação, e passa a sonhar com uma reação para escapar da zona do rebaixamento. O Figueira fecha o primeiro turno com uma campanha regular, com 26 pontos, na 10ª colocação.

Na próxima rodada, quarta-feira, o Avaí recebe o Flamengo, na Ressacada, enquanto o Figueira viaja para enfrentar o Cruzeiro, em Ipatinga.      O primeiro tempo foi muito movimentado, com ótimas chances para os dois lados, três gols e um pênalti perdido. O Figueirense, com a marcação adiantada, pressionou em bloco o Avaí, que ficou acuado dando chutões a cada investida do rival. Depois de quase chegar ao gol duas vezes, com Elias e Wellington Nem, o Figueira teve a sua ofensividade premiada aos 18 minutos, quando Ygor cabeceou e Felipe não conseguiu evitar a abertura do placar: 1 a 0.

Lincoln comemora o primeiro gol do Avaí contra o Figueirense no Orlando Scarpelli (Foto: Ag. Estado)

Empurrado pela torcida, empolgada com o primeiro gol, o Figueira partiu para matar o jogo e teve uma ótima oportunidade quando Júlio César foi derrubado na área por Pedro Ken. Na cobrança do pênalti, porém, o próprio Júlio César mandou para fora, à direita do gol. A história do jogo parecia toda a favor do time alvinegro, mas, aos poucos, o Avaí equilibrou o duelo e só não empatou porque o goleiro Wilson fez três grandes defesas, em conclusões de Dirceu, Bruno Silva e Arlan. A pressão dos visitantes funcionou e, aos 38 minutos, Lincoln aproveitou cruzamento de Arlan para cabecear no contrapé de Wilson e fazer 1 a 1.

A reação dos visitantes parecia consistente. No entanto, com 17 finalizações contra oito do Avaí na primeira etapa, o Figueirense colocou justiça no placar aos 44 minutos. Juninho cruzou rasteiro da esquerda e Júlio César bateu para a defesa de Felipe; a bola voltou no jogador e foi parar no travessão, para, no segundo rebote, o mesmo Júlio César concluir - era o 2 a 1.

Várias chances desperdiçadas pelo Figueira

O Figueira não voltou com o mesmo ímpeto para a segunda etapa, dando espaços ao Avaí, principalmente pelo lado direito, onde Arlan fazia a festa. O lateral do Avaí mostrou sua qualidade ofensiva ao fazer grande jogada aos 14 minutos e rolar para William, já na pequena área, bater para deixar tudo igual: 2 a 2. 

O Avaí conseguiu o empate na base da raça e na inspiração individual de Arlan, mas o Figueirense era mais organizado e ameaçava regularmente. Com 30 minutos do segundo tempo, o time da casa já contabilizava 24 finalizações, contra 10 do rival, além de ter 55% de posse de bola. Resultado: as chances eram criadas uma atrás da outra, mas o Figueira não conseguia desempatar.

O técnico Jorginho ainda colocou o atacante Somália para tentar a vitória, mas o Avaí se defendia com todas as forças, abdicando do ataque cada vez mais. Aos 40, o Figueira esteve perto de selar sua vitória: Edson Silva acertou a trave... E, como uma demonstração da imprevisibilidade do futebol, aos 41 minutos, veio o lance que definiu o jogo, contrariando estatísticas: um lançamento longo do Avaí terminou com a cabeçada certeira de William. Um brinde ao espírito de luta. Final: 3 a 2.                        

veja também