MENU

Na Fórmula 1, Di Grassi teve de parar de estudar, mas irá retornar aos livros

Na Fórmula 1, Di Grassi teve de parar de estudar, mas irá retornar aos livros

Atualizado: Sexta-feira, 3 Setembro de 2010 as 11:50

Muitas vezes, no esporte de alto rendimento, o atleta precisa parar os estudos para poder prosseguir na carreira. E este é exatamente o caso do brasileiro Lucas di Grassi, piloto da VRT, na Fórmula 1, que disputa sua primeira temporada na categoria. O paulista teve de trancar a Faculdade de Economia para investir no automobilismo. Mas os planos de se formar não estão abandonados: ele pretende retornar assim que conseguir tempo.

- Enquanto corria no Brasil - na Fórmula Renault e F-3 Sul-Americana - dava para conciliar a carreira com os estudos. A partir do momento em que fui para a Inglaterra e entrei para o programa de desenvolvimento de pilotos da Renault (RDD), resolvi trancar a faculdade para me dedicar à carreira de piloto. Não parei de estudar. Só foi uma interrupção. Quero retomar o curso assim que tiver oportunidade - diz Lucas.

Apesar de ainda não ter marcado pontos em 2010, Lucas considera o saldo de sua primeira temporada positivo. Sua equipe já tem o melhor carro entre as novatas - na disputa apelidada de "Série B" ou "Segunda Divisão" da Fórmula 1. E o objetivo agora é terminar à frente da Lotus.

- Temos seis corridas pela frente, e estamos firmes em nosso objetivo de terminar a temporada à frente da Lotus. Temos o melhor carro entre as novatas e precisamos de resultados. Espero continuar a crescer, melhorar e aprender, para conquistar resultados ainda melhores. Di Grassi foi chefiado por Flavio Briatore, uma das figuras mais controversas da Fórmula 1 nos últimos anos. O brasileiro diz que ele era um dirigente rígido, mas pensava no bem da equipe.

- Apesar de o Briatore ser um chefe bastante duro, que pressionava bastante, ele fazia pelo bem da equipe, para buscar resultados. Como todos trabalhavam com o mesmo objetivo, meu relacionamento com ele era tranquilo. Sempre tentei fazer meu trabalho da melhor maneira, trabalhando junto com os engenheiros, passando informações e aprendendo. Foi uma fase difícil, porque não estava correndo, mas também foi importante para minha formação.

Sobre o jogo de equipe, ele confessa ainda não ter passado por uma situação como esta. Mas admite que é algo na Fórmula 1 que não dá para escapar, por causa dos interesses dos times.

- Não gosto e espero nunca ter de passar por isso. É muito difícil de fiscalizar, pois as equipes usam códigos, não falam abertamente para o piloto “A” abrir para o “B”. Vou ficar muito feliz no dia em que realmente conseguirem eliminar isso, assim como todo mundo que gosta de corridas. Mas é uma situação muito complicada, difícil de resolver, pois há muitos interesses que influenciam as decisões de uma equipe. E o principal deles é vencer o campeonato ou mesmo uma corrida. E pode apostar que a direção das equipes não gostam de estar nessa posição.

veja também