MENU

Ney Franco justifica substituições precoces: 'Arrisquei e deu certo'

Ney Franco justifica substituições precoces: 'Arrisquei e deu certo'

Atualizado: Sexta-feira, 5 Agosto de 2011 as 11:36

Muitos estranharam quando o volante Fernando deixou o gramado logo aos 18 minutos de jogo da vitória do Brasil por 4 a 0 sobre o Panamá pelo Mundial Sub-20 , quinta-feira. Substituído pelo meia-atacante Dudu, ele já havia recebido um cartão amarelo e o seu comportamento era preocupação para Ney Franco. Mas essa foi apenas uma das justificativas do técnico da Seleção para as substituições precoces que realizou na goleada em Barranquilla – o atacante Willian também saiu do time aos 39 para a entrada de Galhardo.

– Conheço muito bem o Fernando e, pela posição que joga, existia o risco de ele ser expulso e nos causar problema. Mexi também pensando também na próxima fase, pois não quero perdê-lo para mais adiante. Pus o Dudu. Foi uma substituição ousada, corremos o risco, mas também fizemos o primeiro gol. E nessa hora ele estava lá no ataque, explorando a deficiência da marcação do Panamá. Corri o risco pelo momento da competição, se fosse mata-mata não faria nunca algo semelhante – disse Ney Franco, que prosseguiu.

– A segunda substituição, o Galhardo pelo Willian, aconteceu justamente porque tive de fazer um ajuste em relação à primeira. Não deu certo, o nosso meio-campo ficou muito exposto. O Danilo foi para o meio, fizemos o segundo gol e voltamos do intervalo mais tranquilos – afirmou.

Apreensão com Egito

Com o passar do tempo, no entanto, a aflição tomou conta do banco de reservas. Em Cartagena, no mesmo horário, o Egito construiu no segundo tempo a goleada também por 4 a 0 sobre a Áustria. No fim, o Panamá acertou o travessão do goleiro Gabriel, mas Dudu tratou de fechar o placar e a permanência na cidade para as oitavas de final.

– Eu estava ali preocupado, o pessoal já estava sabendo do jogo do Egito. Ainda bem que não sofremos o gol e ainda fizemos o nosso para nos classificarmos em primeiro – afirmou o meia Philippe Coutinho, citando a briga pelo saldo de gols com os africanos (terminou em 7 a 5 a favor dos brasileiros).              

veja também