MENU

Neymar vê Europa distante, e presidente confia na família para manter atacante

Neymar vê Europa distante, e presidente confia na família para manter atacante

Atualizado: Sexta-feira, 30 Abril de 2010 as 11:02

Neymar tem contrato com o Santos até 2014. Mas o clube terá que mostrar pulso bem firme se quiser manter o garoto durante a abertura da janela de transferências internacionais, no meio deste ano. Um time estrangeiro já demonstrou interesse público no jovem de18 anos: o Manchester City, que ao liberar Robinho para a equipe santista, conseguiu prioridade na compra de Neymar. Pelo menos até o dia 4 de agosto, quando se encerra a passagem de Robinho pela Vila Belmiro.

Questionado se está pronto para jogar na Europa, Neymar não soube responder com firmeza. Mas uma coisa ele garante: primeiro quer pensar apenas no Santos e conquistar seu primeiro título, o que pode acontecer neste domingo, às 16h, no Pacaembu, diante do Santo André. O Peixe pode perder por até um gol de diferença que fica com a taça do Paulistão.

- Não sei se estou preparado para a Europa, mas estou tentando me preparar. Primeiro tenho que pensar no Santos, é aqui que eu jogo, quero ser campeão e depois quem sabe pensar em Europa. Agora não me preocupo com isso. A ida para lá será uma consequência do bom trabalho feito no Brasil. Se assinei contrato com o Santos até 2014 é porque pretendo cumprir - justificou Neymar.

Apesar do acordo de prioridade com o Manchester City, o Santos não pretende vender Neymar nesta janela do meio do ano. É o que afirma o presidente do clube, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro. Para manter o garoto na Vila, o mandatário diz que conta com os pais de Neymar, que sempre orientam muito bem a carreira do promissor atacante. Hoje a multa rescisória do jovem é de € 35 milhões (cerca de R$ 80 milhões).

- No momento não tem proposta oficial por nenhum dos garotos, o que tem é muito intermediário que se diz representante de clube A ou B. Ninguém vai ser negociado agora. Tenho conversado com os pais do Neymar, que sabem que primeiro ele tem que amadurecer aqui no Brasil, para depois ir para a Europa sem bater lá e voltar, como acontece com outros jogadores - ressaltou o dirigente santista.

Por: Carolina Elustondo e Adilson Barros

veja também