MENU

Único casado da sub-20, Oscar quer virar realidade na Seleção Brasileira

Único casado da sub-20, Oscar quer virar realidade na Seleção Brasileira

Atualizado: Terça-feira, 11 Janeiro de 2011 as 9:39

Oscar segue na contramão da maioria dos jogadores de futebol. Aos 18 anos, o apoiador do Internacional já é casado há um com Ludmila. E é justamente com toda essa responsabilidade que o garoto encara o desafio de ser um dos 20 jogadores que vão representar a Seleção Brasileira sub-20 no Sul-Americano, que começa no dia 16 de janeiro, no Peru. A competição dá duas vagas para as Olimpíadas de 2012, em Londres, e quatro para o Mundial, em julho, na Colômbia.

- Já a conheço há um tempo. Nos casamos no ano passado e estou gostando muito. Não tem hora para tomar essa decisão. Estávamos prontos e estou muito feliz - afirmou o jogador, que é o único comprometido de forma oficial do elenco da sub-20.

Feliz com o casório, o garoto revelou outros detalhes de sua infância no bate-papo com o GLOBOESPORTE.COM. Quando tinha apenas 3 anos, o apoiador perdeu o pai. Segundo Oscar, uma das maiores dificuldades no início da carreira.

- A dificuldade maior foi que eu perdi o meu pai (Oscar) com apenas três anos. A minha mãe (Sueli) fez tudo para mim. É difícil não ter pai no meio do futebol, mas deu para resolver tudo - afirmou o jogador do Internacional.

Oscar iniciou a carreira em uma escolinha em Americana, no interior paulista. Aos 12 anos, ele se transferiu para o São Paulo, onde ficou por cinco temporadas.

- Fiquei três anos na base e dois no profisisonal. Tive uma experiência muito boa no São Paulo, mas acabei indo para o Inter - contou o jogador, que duas irmãs (Daniella e Gabriela).

O apoiador relembrou a sua saída do São Paulo. Após um imbróglio na Justiça, Oscar acabou acertando com o Internacional, onde foi destaque do Campeonato Brasileiro sub-23.

- Não guardo mágoa do pessoal do São Paulo. Faz parte do futebol. Isso já aconteceu com outros jogadores. Tinha tudo para dar certo no São Paulo, mas foram detalhes. A diretoria e o meu empresário não chegaram a um acordo. Foram coisas contratuais. A vida seguiu e estou feliz - afirmou o apoiador.

Apesar de ter deixado o Morumbi, Oscar fez uma revelação dos tempos em que ainda não era atleta profissional.

- Era torcedor do São Paulo. Assistia aos jogos do Kaká com frequência. Quando fui para o clube, não cheguei a vê-lo no CT - contou o jogador.

Agora, o objetivo de Oscar é se firmar nos profissionais do Internacional e na Seleção.

- É o objetivo de qualquer jogador. Se firmar em seu clube e um dia chegar à Seleção, como não é diferente - afirmou o meia, que deve ser titular do técnico Ney Franco no Sul-Americano sub-20, que começa no dia 16, no Peru.

Por: Márcio Iannacca

veja também