MENU

Nível técnico da Copa América é baixo, dizem Cafu, Figueroa e Cubillas

Nível técnico da Copa América é baixo, dizem Cafu, Figueroa e Cubillas

Atualizado: Sexta-feira, 22 Julho de 2011 as 4:15

Cafu lamentou a oscilação técnica do Brasil

(Foto: João Paulo Garschagen / Globoesporte.com)

  Muitos empates por 0 a 0, uma seleção finalista que não venceu nenhuma partida no tempo normal, meias ofensivos e atacantes apagados e muita frustração para os amantes do futebol. Assim três ídolos em suas gerações definiram a edição 2011 da Copa América, disputada na Argentina.

O pentacampeão Cafu, capitão da Seleção Brasileira na Copa de 2002, o ex-zagueiro chileno Figueroa, ídolo da torcida do Internacional, e o ex-meia-atacante peruano Teófilo Cubillas, apontado em 1970 como sucessor de Pelé pelo próprio Rei do Futebol, estiveram presentes nesta sexta-feira em um evento em Buenos Aires. Os três concordaram que a competição sul-americana chega à decisão do próximo domingo deixando uma impressão de que o futebol bem jogado não deu às caras na Argentina.     A campanha do Paraguai, que chegou à final contra o Uruguai sem ter vencido nenhuma partida no tempo normal foi a principal crítica dos ex-jogadores. Para Figueroa, autor do gol que deu o título de Campeão Brasileiro de 1975 ao Internacional, falta ofensvidade às seleções.

- Essa Copa América vem sen

do atípica, para usar um termo mais elegante. Os goleiros e zagueiros têm sido os grandes nomes e isso mostra um pouco do nível da competição. As seleções sul-americanas sempre tiveram um estilo de toque de bola, jogadas bonitas, e isso não tem se visto mais. Não tiro méritos dos que chegaram à final, mas o Paraguai chegou empatando, empatando... - lamentou Elias Figueroa, que disputou as Copas do Mundo de 1966, 1974 e 1982.

Em evento em Buenos Aires, Cafu, Figueroa e Cubillas lamentaram o níve

l técnico das seleções e a falta de grandes jogadores com a camisa 10

 (Foto: João Paulo Garschagen / Globoesporte.com)

  Campeão das Copas América de 1997 e 1999, Cafu analisou a participação da Seleção Brasileira como abaixo da média, mas salientou que o trabalho do técnico Mano Menezes precisa ter continuidade.

- Queríamos que o Brasil tivesse jogado melhor tecnicamente, houve uma oscilação. Essa Copa América serviu para mostrar que o futebol está equilibrado. Seleções menos expressivas, como Venezuela e Peru, fizeram um grande torneio, surpreenderam as equipes mais tradicionais - opinou o ex-lateral.

Teófilo Cubillas, eleito o melhor jogador jovem da Copa do Mundo de 1970 e apontado pelo próprio Pelé como seu sucessor, foi convicto ao comentar o que espera da final deste domingo, entre Paraguai e Uruguai.

- Sinceramente, quero que aconteça um bom futebol, com gols e boas jogadas. O gol é a grande atração de um jogo de futebol. Costumo dizer que um jogo de futebol sem gols é como um jardim sem flores. Não me importa quem vai ser campeão, quero apenas que saia um campeão no tempo normal e, de preferência, com muitos gols - disse Cubillas, que distribuiu simpatia no evento.            

veja também