MENU

No retorno às competições, Natália cai na estreia

No retorno às competições, Natália cai na estreia

Atualizado: Quarta-feira, 19 Outubro de 2011 as 8:22

Natália Falavigna não consegue atingir a americana

Lauren Hamon (Foto: Divulgação/VIPCOMM)     O joelho direito deu trabalho desde o início do ano. Fez Natália Falavigna ir para a mesa de cirurgia para corrigir um rompimento nos ligamentos. Voltou a incomodar e teve de ser operado mais uma vez. Ela não esmoreceu, apesar de ter perdido o Mundial da Coreia, os Jogos Militares do Rio e o Pré-Olímpico do Azerbaijão. Nesta terça-feira, em Guadalajara, só queria se divertir fazendo novamente o que mais gosta. Seria o primeiro grande teste desde a primeira lesão, há quase 20 meses. E se passasse pela americana Lauren Hamon, adversária na estreia no Pan, já teria ao menos o bronze garantido na categoria até 67kg do torneio de taekwondo. Não conseguiu. Perdeu na decisão dos juízes.

Vice-campeã na edição do Rio, em 2007, e medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de Pequm-2008, a lutadora deixou escapar a chance de colocar uma medalha dourada em sua coleção. Do taekwondo, apenas Márcio Wenceslau saiu com uma: bronze até 58kg.

A torcida empurrava Natália, mas mudou de lado quando a mexicana Guadalupe Ruiz entrou no ginásio - lutaria no tatame ao lado.

O combate seguiu equilibrado até o terceiro round. Hamon saiu na frente. No golpe, Falavigna sentiu a coxa esquerda. Na retomada da luta, chegou ao empate após punição dada à rival: 1 a 1. O combate foi para o golden point (prorrogação), mas nenhuma das duas conseguiu pontuar. E o árbitro, depois de uma angustiante espera, levantou o braço apontando para Hamon.

- Na hora que foi para o Golden, senti que não iam dar para mim a vitória. Senti um pouco o tempo de luta, velocidade, contato. Quando o atleta não é muito técnico, incomoda um pouco. Mas nada justifica. Deveria e poderia ter feito mais. Tenho capacidade para fazer mais, mas sei o momento em que encontro e a limitação que tenho.

Ao fim da luta, Natália chegou a comemorar com o treinador. Era apenas uma forma de tentar influenciar os árbitros.

- Você tenta enganar os árbitros, enganar, fazer um teatro. Se a atleta está chutando baixo, você tem que cair, tem que mostrar que está segurando a perna. Mas ela acabou atacando mais e levou o desempate.

Na saída do ginásio, encontrou uma conhecida da família Falavigna. Marlene Oldemberg mora em Guadalajara há três anos. Vestida com uma camisa verde e amarela, deu um abraço e falou palavras de consolo, em nome do pastor da igreja que elas frequentam, em Londrina. Natália veio ao México sozinha, apenas com a equipe.

- Pena que não deu, né? – dizia a lutadora, meio sem graça.     Marlene dá um abraço em Natalia (Foto: Gabriele Lomba / GLOBOESPORTE.COM)     Natália segue para Houston, onde treinará de novo com o mestre Jean Lopez, comandante da equipe americana. Depois, voltará ao México para o Pré-Olímpico, na cidade de Querétaro, de 18 a 20 de novembro. As três primeiras se classificam a Londres-2012. Até o momento, apenas Diogo Silva tem vaga assegurada, na categoria até 68kg.

- Em quatro semanas e eu já pego esse detalhe do tempo. Estou treinando há dois meses e meio, mas não tinha lutado. Lutar realmente é diferente. Havia uma carga emocional grande pelo tempo que fiquei parada. Acho que se o campeonato voltasse agora, a primeira luta já seria diferente. Nos quase dois anos em que ficou parada, Natália viu os coletes eletrônicos serem introduzidos nas grandes competições. E teve de se adaptar a eles.

- Depois de dois anos, você até desaprende a rotina e tem de começar de novo: como gosto de aquecer, como é o colete eletrônico. Nunca tinha lutado com ele. Mas nada justifica. Encaro com naturalidade, mas não com passividade. Não estou contente, não estou feliz, mas sei que estou no meu caminho.          

veja também