MENU

No sufoco, Palmeiras vira e vence o Sertãozinho

No sufoco, Palmeiras vira e vence o Sertãozinho

Atualizado: Terça-feira, 9 Março de 2010 as 12

Desta vez, não choveu. O campo estava seco, e o gramado da Arena Barueri, bem cuidado. O que não mudou, no entanto, foi o futebol do Palmeiras. Diante de 3.224 torcedores que se dispuseram a pagar por um ingresso na noite desta segunda-feira, dia 8, o Verdão teve enormes dificuldades para vencer por 3 a 2, de virada, o lanterna Sertãozinho. E o herói da partida foi o meia Cleiton Xavier, que marcou o gol salvador aos 49 minutos do segundo tempo - e ele já havia feito o segundo do Alviverde, nove minutos antes, empatando o confronto.

O Verdão fez as pazes com a vitória após duas derrotas consecutivas, mantendo-se na briga por uma das vagas no G-4 do Paulistão. Com o resultado, subiu para a oitava colocação, com 19 pontos, a quatro do arquirrival Corinthians, o último entre os quatro mais bem colocados do Estadual. Já o Sertãozinho, com apenas oito pontos conquistados, segue segurando a lanterna da competição.

O time comandado por Antônio Carlos Zago agora terá uma semana para trabalhar. O próximo compromisso do Palmeiras será no próximo domingo, contra o líder Santos, em clássico que será realizado na Vila Belmiro, às 17h (de Brasília). No mesmo dia, o Sertãozinho enfrenta o Monte Azul, às 11h (de Brasília), no estádio AMA.

Muita transpiração, pouca inspiração no primeiro tempo

O Palmeiras começou empolgado, mas desarrumado. Sem poder contar com Diego Souza, suspenso pela expulsão na derrota para o Santo André, o técnico Antônio Carlos Zago apostou em Deyvid Sacconi para auxiliar Cleiton Xavier na armação. Mas é necessário mais do que vontade para criar jogadas de perigo. E faltou inspiração ao time da capital. A primeira conclusão aconteceu apenas aos 15 minutos, quando Sacconi, de fora da área, mandou à direita de Gilberto.

Já o Sertãozinho entrou em campo apenas para se defender. Colocou um marcador em cima de Cleiton Xavier, outro na cola de Deyvid Sacconi e bloqueou os avanços dos laterais Wendel e Eduardo. Com isso, os volantes Pierre e Márcio Araújo acabaram assumindo a missão da transição da defesa para o ataque. E foi exatamente assim que saiu o primeiro gol palmeirense.

Assista aos gols da partida:

Aos 23, Márcio Araújo tocou para Pierre, que pelo lado esquerdo fez lançamento primoroso para Lenny. O atacante, nas costas de Ricardo Lopes, avançou livre, cortou a marcação de Pablo e, de pé direito, bateu sem chances de defesa para Gilberto: 1 a 0 Verdão.

Se o gol deveria trazer tranquilidade ao time, na verdade causou efeito contrário. O time diminuiu sensivelmente o ritmo e viu o limitado Sertãozinho sair para o jogo e equilibrar a partida. Aos 27, Mendes, em chute de fora da área, exigiu boa defesa de Marcos, que espalmou a escanteio. Na cobrança, Ricardo Lopes cabeceou, e o camisa 12 fez nova defesa para evitar o empate.

Apesar dos gritos de Zago no banco de reservas, o Alviverde seguia cozinhando a partida. E acabou castigado aos 41. Após erro de Márcio Araújo na saída para o jogo, Rubens Cardoso recuperou a bola e fez belo passe para Mendes. Este, no lado direito da área, mandou no ângulo de Marcos e deixou tudo igual no marcador. Acabava aí a etapa inicial.

Protesto dos torcedores, superação e virada heroica

O desespero palmeirense aumentou logo no início do primeiro tempo, com o Sertãozinho passando à frente no placar. E novamente o gol adversário surgiu de uma falha alviverde. Desta vez, foi Wendel quem perdeu a bola. Rodriguinho aproveitou a sobra e lançou Thiago Silvy pela esquerda. O atacante invadiu a área e chutou de pé direito. Marcos rebateu, e na sequência o próprio atacante, ao tentar driblar o goleiro, se jogou na área. O árbitro Raphael Claus caiu na encenação e marcou pênalti. Na cobrança, Ricardo Lopes bateu com categoria para fazer 2 a 1.

E o Palmeiras, em desvantagem, literalmente entrou em pane. Armou o abafa contra o rival, mas sem a menor organização. Com exceção de uma bicicleta dada por Robert, aos 20, o time se mostrava confuso e burocrático. Antônio Carlos fez o que podia àquela altura e realizou as três alterações. Ele sacou Lenny, Wendel e Deyvid Sacconi e colocou Daniel Santos, Ivo e William, respectivamente. A torcida, por sua vez, se irritou definitivamente e começou a protestar. Eram 34 minutos de partida.

- Vergonha! Vergonha! Time sem vergonha!

Mas a resposta veio em campo. Na base do desespero e sem organização, mas com raça. E foi assim que o Verdão correu atrás da vitória. Aos 40, após cruzamento de Léo, Cleiton Xavier, de cabeça, empatou a partida. Com 2 a 2, a torcida, que estava xingando, passou a empurrar o time.

E deu resultado. No último lance, o Palmeiras conseguiu a virada. Após lançamento de Eduardo para o ataque, a zaga do Sertãozinho marcou bobeira, e a bola sobrou para ele, Cleiton Xavier, que num chute cruzado colocou no canto direito de Gilberto e decretou a vitória. Os três pontos estavam garantidos, mas, apesar disso, alguns torcedores seguiram revoltados. O atacante Robert e o técnico Zago foram os principais alvos dos xingamentos impublicáveis.

Por: Marcelo Prado

veja também