MENU

'O Cara da B': aos 37 anos, Dodô não pensa em se aposentar do futebol

'O Cara da B': aos 37 anos, Dodô não pensa em se aposentar do futebol

Atualizado: Terça-feira, 26 Julho de 2011 as 3:21

Um dos responsáveis pela boa campanha do Americana na Série B do Brasileirão 2011, Dodô mostra que, apesar dos 37 de idade, tem disposição para buscar a artilharia da competição. O "Artilheiro dos Gols Bonitos", como é conhecido, crê que só se afastará dos gramados quando não tiver mais vontade de fazer gols e, por isso, foi eleito como " O Cara da B " desta semana.

- Depende muito do prazer de jogar e da condição física. Enquanto eu tiver prazer de jogar eu acho que dá para jogar - afirmou. Revelado pelo Nacional-SP em 1992, o jogador teve uma rápida passagem por Fluminense (entre 1994 e 1995) e Paraná (1996), antes chegar ao São Paulo em 1997. No Tricolor Paulista, Dodô foi artilheiro do Paulistão com 19 gols, e do Torneio Rio-São Paulo do ano seguinte, marcando cinco vezes.

- Se eu não me engano, acho que no São Paulo em uma temporada, acho que sou o que fiz mais gols. Foram 57 gols em uma temporada, algo que é gratificante. Eu fiquei um bom tempo no São Paulo e eu fiz bastantes gols, mais de 100 gols, é uma coisa que eu guardo com carinho - relembrou.

Dois anos depois, o jogador passou a defender o Santos onde conquistou o título estadual. No segundo semestre de 2001, o atleta foi contratado pelo Botafogo e ajudou a equipe escapar do rebaixamento para a Série B do Brasileirão e, a fazer uma boa campanha no Torneio Rio-São Paulo do ano seguinte.

Em 2002, Dodô acertou com o Palmeiras, mas frequentemente lesionado, não atuou muito pela equipe, que foi rebaixado para a segunda divisão do campeonato nacional. Nos dois anos seguintes, o atleta defendeu o Ulsan (Coreia do Sul) e, em 2005, foi para o Oita Trinita (Japão). Seu retornou ao Brasil aconteceu no segundo semestre daquele ano, no Goiás. O fato de atuar como reserva no Esmeraldino o fez acertar sua volta ao Botafogo no início do ano seguinte. No Alvinegro, Dodô conquistou o título da Taça Guanabara e do Carioca de 2006, sendo artilheiro da competição com nove gols.

Por uma cláusula contratual, que permitia sua saída sem qualquer tipo de ressarcimento caso houvesse uma proposta de um clube não-brasileiro, Dodô passou a defender o Al Ain (Emirados Árabes Unidos), mas, em 2007, voltou para o time carioca, onde foi campeão da Taça Rio e vice-campeão do Campeonato Carioca. Neste mesmo ano, o atacante foi pego no exame anti-doping por apresentar em sua urina a substância femproporex, utilizada para emagrecer, que constava em uma cápsula de cafeína dada pelo departamento nutricional do clube. O atacante foi suspenso por 120 dias, mas entrou com recurso e foi absolvido pelo STJD por não ter sido considerada a sua culpa.

-Você ser pego no doping sem ter feito coisa nenhuma foi uma surpresa muito grande para mim - explicou.     Dodô deixou o Botafogo para reforçar o Fluminense na disputa da Taça Libertadores 2008. Após brilhar na partida em que o Tricolor goleou o Arsenal-ARG, por 6 a 0, quando marcou dois gols, o jogador sofreu uma fratura de um osso frontal da face (durante um jogo do Campeonato Carioca) e precisou ficar dois meses parado. Após o vice-campeonato na competição Sul-Americana, o atleta se desligou do clube e logo depois recebeu uma punição de dois anos afastado dos gramados do Tribunal Arbitral do Esporte como resultado do processo sobre seu doping.

O retorno ao futebol aconteceu no Vasco, mas após o início promissor, seu rendimento foi caindo a cada partida. Em 2010, o jogador acertou com a Portuguesa para disputar a Série B do Campeonato Brasileiro. Após ser dispensado pela Lusa, Dodô acertou com o Americana em março de 2011.

- No Americana tem sido legal porque o time vem jogando bem, conquistando vitórias e os gols têm aparecido - disse.

O Americana ocupa o quinto lugar da tabela da Série B, a seis pontos da líder Portuguesa.          

veja também