MENU

Os 100 dias de Dorival no Inter: mais conquistas do que decepções

Os 100 dias de Dorival no Inter: mais conquistas do que decepções

Atualizado: Quarta-feira, 23 Novembro de 2011 as 11:13

Foi uma daquelas ironias que tanto abraçam o futebol. Em um 16 de agosto, dia emblemático para os colorados, data do primeiro título da Libertadores para o Inter, Dorival Júnior foi apresentado no Beira-Rio como o sujeito responsável por erguer o elenco vermelho e, como em um ciclo, pelo menos garantir uma vaga justamente para a Libertadores da América – o torneio cuja primeira conquista completava cinco anos naquela terça-feira. Completados 100 dias, ele soma mais alegrias do que decepções no clube gaúcho. E tem o caminho aberto para garantir a tal vaga.

Treinador ganha a Recopa, mas fica sem o título nacional com o Inter em 2011 (Foto: VIPCOMM) Em uma centena de dias no comando do Inter, o aproveitamento de Dorival Júnior é positivo. São 21 jogos, com dez vitórias, sete empates e quatro derrotas. Ele treinou o time na finalíssima da Recopa e já garantiu um título. No Brasileirão, depende das duas últimas rodadas para saber se teve sucesso na missão ou não. Está nas mãos do Inter a classificação para a Libertadores. Dorival assumiu a equipe colorada na sétima colocação, com vitória de 1 a 0 sobre o Botafogo (lembre no vídeo ao lado). E alcançou uma regularidade antes inexistente. Ficou sempre às voltas com o G-5 – ora colado nele, ora mais afastado. Na reta final, com as vitórias sobre Bahia e Botafogo, conseguiu pular para o quarto lugar. A vaga na Libertadores agora depende dos duelos com Flamengo e Grêmio, os dois últimos no ano. Se acontecer, será uma conquista, mas abaixo daquilo que o técnico pretendia. Na visão dele, o Inter poderia brigar pelo título.

- O Internacional poderia estar brigando mais acima, pelos resultados que deixamos, pela forma como jogamos no segundo turno. Acredito que o Internacional poderia ter uma sorte melhor. Mesmo quando estávamos na décima posição, eu dizia que era um fato inaceitável. No futebol, só trabalhamos com a vitória. Qualquer outro resultado não tem como explicar, como mostrar, por mais que a equipe estivesse jogando mais do que os adversários. Não tem condições, fatos palpáveis, para mostrar que não estava certo. O Internacional poderia estar brigando mais na frente – disse ele.

Aproveitamento do Inter no Brasileirão sobe com

Dorival (Foto: Lucas Uebel / VIPCOMM) O aproveitamento de Dorival no Brasileiro é de 56,6%, bem mais confortável do que os 52,8% de média – contando o período de Falcão e Osmar Loss. Analisado o andamento do time só com o atual treinador, a vaga na Libertadores estaria muito mais garantida. Mas ela ainda é uma possibilidade forte. E pode abrir o caminho para conquistas que não foram alcançadas em 2011, na visão do técnico.

- Talvez estejamos próximos de ter isso (conquista de título) em outra competição. Acho que o Internacional tem qualidades e material para ter outra condição. Não aconteceu. Ainda temos essa chance de uma confirmação, e esse passa a ser nosso objetivo direto. Com certeza, essa equipe poderia estar numa condição um pouco melhor – comentou.

Ao alcançar seu centésimo dia de Inter, Dorival deixa para trás uma trajetória de relativa calma. Os laços entre a torcida e Falcão, seu antecessor, jamais foram rompidos, mas não chegam a incomodar. O atual treinador foi vaiado raras vezes. Está garantido no cargo para 2012.

A relação com o elenco também é boa. Dorival teve problemas disciplinares com Zé Roberto e ficou na bronca com Juan, expulso por reclamação contra o Fluminense. Mas, em geral, leva o grupo na boa, mesmo com decisões radicais.

Dorival Júnior tem boa relação com o elenco colorado (Foto: Marcos Nagelstein / VIPCOMM) Com ele, foram parar no banco jogadores como Bolívar e Tinga, dois baluartes dos tempos de maiores conquistas do clube. E ambos voltaram à equipe depois. O treinador respeitou currículos, mas sem barrar os jovens. Conseguiu criar um meio-termo no aproveitamento das duas alas do elenco.

- Dificilmente abro mão de jogadores com essa condição. Só uma mescla faz com que se atinja o equilíbrio. (...) Acredito que, até esse momento, esse equilíbrio tem feito a equipe produzir tão bem.

Dois jogos, contra Flamengo e Grêmio, definirão, em resultados, o tamanho do sucesso do primeiro ano de Dorival no Inter. Fechar 2011 apenas com o título da Recopa será pouco. A vaga na Libertadores servirá como alento. Caso contrário, apesar dos bons resultados alcançados até agora, o treinador começará a nova temporada pressionado.

Inter com Dorival Júnior em 21 jogos

Dez vitórias: sobre Botafogo (duas vezes), Independiente, América-MG, Palmeiras, Atlético-MG, Vasco, Avaí, Atlético-GO e Bahia.

Sete empates: com Flamengo, Santos, Ceará, Coritiba, Figueirense, São Paulo e Corinthians.

Quatro derrotas: para Grêmio, Atlético-PR, Fluminense e Cruzeiro.

As conquistas de Dorival

- Melhorou o aproveitamento do Inter no Campeonato Brasileiro

- Deu regularidade ao time, com apenas quatro derrotas

- Teve coragem para tirar jogadores experientes do time

- Com discrição, sem ser adorado pela torcida, mas também sem ser perseguido, conseguiu se livrar da sombra de Falcão

- Participou da conquista da Recopa, com vitória de 3 a 1 sobre o Independiente no Beira-Rio

As decepções de Dorival

- Não conseguiu levar o time à briga pelo título do Brasileirão, algo que, na visão dele mesmo, deveria estar ao alcance das qualidades do elenco

- Viu o Inter ou perder pontos inacreditáveis, caso do empate por 3 a 3 com o Santos, após abrir 3 a 0, ou patinar em momentos de entrada no G-5, casos dos empates com Coritiba e Corinthians e da derrota para o Fluminense

- Perdeu o único Gre-Nal que disputou até agora

- Não conseguiu recuperar o atacante Zé Roberto, uma das referências do Inter no primeiro semestre

- Em momentos de necessidade, fez algumas apostas erradas, especialmente no ataque, com Dellatorre

veja também