MENU

Pacaembu se consolida como nova casa santista. Muricy prefere Vila

Pacaembu se consolida como nova casa santista. Muricy prefere Vila

Atualizado: Segunda-feira, 4 Julho de 2011 as 11:31

Peixe adotou Pacaembu como sua casa em SP

(Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)

  Cada vez mais o Pacaembu se consolida como a nova casa do Santos. O clube já confirmou que mandará o jogo contra o Atlético-MG, dia 16 de julho, pela décima rodada do Brasileirão, no estádio paulistano. Novamente, a Vila Belmiro é preterida. O confronto contra o Galo será o sétimo que o Peixe manda na capital neste ano. Em outros dois, contra São Paulo e São Caetano, pelo Paulistão, a diretoria optou pela Arena Barueri, na Grande São Paulo. A Vila Belmiro foi utilizada 14 vezes.

O argumento utilizado pela cúpula alvinegra para mandar tantos jogos longe de Santos é financeiro. É comum o clube colocar entre 25 mil e 30 mil pessoas no Pacaembu, mesmo em jogos sem tanto apelo - na final da Taça Libertadores, foram 37.894 pagantes e mais de 40 mil presentes. A renda bruta foi de R$ 4.266.670,00. A Vila, hoje em dia, suporta, no máximo, 16 mil pessoas. O estádio alvinegro recebeu seu maior público neste ano na final do Paulistão, contra o Corinthians: 14.322 pagantes, que geraram renda de R$ 745.610,00.

Além disso, o aumento do número de sócios faz com que o clube opte cada vez mais pelo Pacaembu, a fim de garantir maior conforto aos associados. Nos últimos 18 meses, o clube ganhou 19 mil novos sócios, número bem superior à capacidade da Vila.

Nos 14 jogos que disputou em seu estádio, o Peixe obteve dez vitórias, três empates e uma derrota. No Pacaembu (como mandante), cinco vitórias e um empate. Na Arena Barueri, um empate e uma vitória.

O técnico Muricy Ramalho e a maioria dos jogadores do Santos entendem a necessidade da diretoria de arrecadar mais. No entanto, deixam claro que não gostam muito de ficar tanto tempo longe do alçapão alvinegro. O treinador, aliás, torce para que a diretoria mude de ideia e volte o jogo contra o Galo para a Vila.

- Eu não costumo dar palpite sobre essas coisas, porque sei que tem o lado financeiro, a estratégia do clube. Mas acho que temos de intercalar mais, precisamos voltar para o nosso campo. É onde o time se sente melhor. Se der tempo de mudar, quem sabe a diretoria não faça uma força? - sugere o treinador.

O lateral-esquerdo Léo, por sua vez, diz que os jogadores alvinegros estão com saudades de atuar em Santos.

- A Vila é nossa casa, mas parece que agora virou o Pacaembu. É algo administrativo e procuramos não opinar, mas é claro que temos saudades de jogar na Vila Belmiro - diz.          

veja também