MENU

Paraná Clube perde para o Operário e segue na lanterna

Paraná Clube perde para o Operário e segue na lanterna

Atualizado: Quinta-feira, 10 Fevereiro de 2011 as 8:51

A crise que toma conta do Paraná Clube parece não ter fim. Mesmo no dia em que a equipe tricolor fez sua melhor apresentação em oito rodadas do Campeonato Paranaense, o resultado final foi aquele que tem se tornado habitual para o clube. Uma derrota.

Jogando na Vila Capanema, o Paraná perdeu por 2 a 1 para o Operário, que assim manteve sua invencibilidade como visitante. A equipe de Ponta Grossa chegou aos 13 pontos, assumindo a quarta posição do estadual antes das quatro partidas que fecham a rodada, na quinta-feira.

Já o Tricolor segue na lanterna, com apenas dois pontos ganhos e sem uma vitória sequer na competição. O que deve abreviar a permanência do treinador Roberto Cavalo.

No outro jogo desta quarta-feira, Rio Branco e Iraty empataram, por 2 a 2, no Estádio Gigante do Itiberê, em Paranaguá. Mesmo sem vencer em casa, o Rio Branco deixou, ao menos temporariamente, a zona do rebaixamento. Com cinco pontos, o Leão da Estradinha ganhou a décima posição do Cascavel. Já o Iraty manteve a terceira posição, agora com 14 pontos.

Primeiro tempo de altos e baixos

No início do jogo, parecia que a sorte do Paraná iria mudar. Aos sete minutos, Renato pegou a bola no meio-campo e avançou até a área do Operário, onde se embolou com João Paulo e viu o árbitro marcar pênalti.

O mesmo Renato foi para a cobrança, escolhendo o canto esquerdo de Ivan, que foi bem na bola e evitou a abertura do placar. Era apenas o primeiro indício de que a péssima fase paranista não se encerraria tão cedo.

O que se confirmou no lance seguinte, em que a zaga tricolor deu bobeira na cobrança de escanteio, permitindo a Ícaro cabecear para o gol, aos dez minutos.

Jogando um pouco melhor do que nas últimas partidas, os donos da casa partiram para o ataque em busca do empate. Que veio pelo pés de Kelvin, aos 22 minutos. O atacante, que voltou a jogar após a tumultuada negociação com o Porto, recebeu dentro da área e teve calma para tocar por baixo das pernas de Ivan.

O empate animou o Paraná, que pressionou em busca da virada. Mas não foi eficiente para criar mais chances reais de perigo. Do outro lado, o Operário arriscava chutes de longa distância e foi em um deles que Cambará surpreendeu o goleiro Jociel Henrique, desempatando o jogo aos 44 minutos.

Derrota e crise

No começo da etapa final, parecia que a sorte abandonaria de vez o Paraná. Mateus quase ampliou aos três minutos e no lance seguinte Lisa entrou na área, aplicou uma meia-lua no marcador e foi travado por Luiz Camargo. Paulo Roberto Alves Júnior viu falta do volante tricolor e assinalou o pênalti.

Foi a hora da sorte mudar de lado novamente, já que Ícaro acertou uma bomba no travessão na cobrança.

Ceará quase ampliou em mais um chute de longe que o jovem Jociel Henrique, sem conter o nervosismo, quase deixou passar ao tentar encaixar.

Aos 25 minutos, a certeza de que o dia não era mesmo para mudar a maré de azar paranista veio em cruzamento de Douglas que cruzou a área, sem que Kelvin, completamente desmarcado, alcançasse a bola para empatar.

O Operário então se fechou na defesa e só correu algum risco nas cabeçadas de Rafael Vaz e Marquinhos, que passaram por cima do gol de Ivan.

Por Luciano Balarotti

veja também