MENU

Peixe atropela Ituano sem dó: 9 a 1

Peixe atropela Ituano sem dó: 9 a 1

Atualizado: Segunda-feira, 22 Março de 2010 as 12

No Santos, há futebol sem Robinho e Neymar. As duas principais estrelas do Peixe não estiveram em campo neste domingo à noite, no Pacaembu. Mas o time não sentiu. Pelo contrário. Manteve a velocidade, o toque de bola rápido e a objetividade. Sob a batuta do maestro Paulo Henrique Ganso e com André de mira afiada, o Peixe passou por cima do Ituano, sem dificuldades: 9 a 1. O goleiro do Ituano é Saulo, o mesmo que, em 2005, defendendo o Peixe, levou sete do Corinthians. Que sina!

O Rei das Pedaladas não jogou porque está machucado, mas foi ao Pacaembu ver o time dar mais um show. Neymar, suspenso, chega nas próximas horas dos Estados Unidos. Com o resultado, o Peixe retoma do Santo André a liderança do Paulistão, com 35 pontos. O Ramalhão é o segundo, com 32. A equipe de Itu, com 19 pontos, está na 11ª posição.

O Santos volta a campo na próxima quinta-feira, às 21h (horário de Brasília), contra o Botafogo-SP, em Ribeirão Preto. O Ituano recebe o São Caetano, na quarta-feira, às 19h30m, em Itu.

Estátua da Liberdade

Embora não estivesse em campo, Neymar foi lembrado pelos seus companheiros. Antes do jogo, ele ligou para André e pediu para que o amigo comemorasse um gol posando como a Estátua da Liberdade. No último sábado, a jovem estrela reforçou o time reserva do Santos no amistoso contra o RB New York, em Nova Jersey, nos Estados Unidos. No entanto, André e seus amigos tiveram de se recuperar de um susto antes de homenagear o colega.

É que logo no primeiro minuto de jogo, a zaga do Santos bobeou. Wesley tentou sair jogando, perdeu a bola e acabou cometendo falta. Na cobrança, a bola ficou com João Leonardo, que virou sobre Edu Dracena e chutou colocado, abrindo o placar. Com esse gol, a equipe do interior cutucou fera com vara curta.

O Peixe se refez rapidamente e passou a pressionar imediatamente. Ganso comandou as ações no meio. Madson, que jogou no lugar de Neymar, construía boas jogadas, ora pelo lado esquerdo, ora cortando pelo meio. Arouca e Rodrigo Mancha fechavam bem a meia-cancha, e o Ituano ficou preso dentro do seu campo.

Os gols santistas não tardaram a sair. O primeiro veio com André, aos 14. Paulo Henrique Ganso cobrou da direita, e o atacante mergulhou de peixinho para marcar. Na comemoração, André e Madson posaram de Estátua da Liberdade. No caso de Madson, uma miniatura...

A pressão alvinegra era muito forte, e os visitantes não conseguiram segurar. O lateral-esquerdo Carlos Eduardo fez duas faltas duras e acabou expulso, aos 26. Com um a menos, o time do interior virou uma presa fácil.Aos 28, Marquinhos cobrou falta da direita na cabeça de Ganso, que, sozinho, subiu para escorar e virar o jogo. A sede de gols alvinegra ainda era grande. André que o diga. Aos 39 minutos, ele arrancou pela direita, livre de marcação, invadiu a área pela direita e chutou forte, sem chances para Saulo, goleiro revelado pelo Peixe.

O Ituano, entregue, não conseguia passar do meio de campo. O veterano zagueiro Roque Júnior sentiu lesão e pediu para sair. E o Santos, sem fazer muita força, consolidou sua goleada ainda no primeiro tempo. Arouca acertou bela enfiada de bola para Madson, que entrou pela direita e chutou rasteiro, marcando o quarto.

Assista aos gols da partida:

Saulo vira personagem

No intervalo, Ganso avisou:

- Não vamos tirar o pé.

Azar do Ituano. O Peixe voltou para o segundo a tempo a fim de mais gols. O quinto saiu logo aos oito minutos. Madson cobrou falta em cima da barreira. O rebote voltou para o próprio baixinho, que emendou de primeira e marcou.  

Estava fácil demais para o Santos. O Ituano não conseguia ver os santistas, que passaram em velocidade de um lado para o outro. O ritmo era de treino. A ponto de o técnico Dorival Júnior colocar mais gente para atacar em campo. Aos 13, o volante Arouca saiu para a entrada do atacante Maikon Leite, que, em seu primeiro lance, aos 16, marcou o sexto. Wesley desceu pela direita e cruzou. A bola foi desviada pela zaga e sobrou para Maikon mandar de pé direito.

O Peixe não estava satisfeito, e o sétimo gol não tardaria, para desespero de Saulo. O goleiro do Ituano era titular do Santos no dia 6 de novembro de 2005, quando a equipe praiana  perdeu por 7 a 1 para o Corinthians, também no Pacaembu. Aos 28, Ganso dominou dentro da área, livrou-se da marcação e chutou de pé esquerdo. Era o sétimo. E Saulo foi "homenageado" pela torcida santista, que o xingou implacavelmente, quase cinco anos depois.

A tarde não era de Saulo, definitivamente. Aos 41, levou um frangaço daqueles que valem vídeo no Youtube. Zé Eduardo chutou rasteiro, fraco. O goleiro não conseguiu pegar. A bola passou por baixo do seu corpo e, lentamente, como se fosse uma imagem em câmera lenta, atravessou a linha.

Irônica, a torcida do Peixe mandou o coro:

- Saulo, Saulo...

Aos 42, Luis Eduardo fez falta dura e foi expulso. O Ituano ficava com dois a menos. Mas a noite de Saulo ia ficar ainda pior. Após levar oito gols, teve de derrubar Maikon na área para tentar evitar o novo. Cometeu o pênalti e foi expulso. Na saída, um breve comentário:

- Faz parte...

Como a equipe de Itu já havia feito as três alterações, o zagueiro Jean Pablo foi para o gol, mas nem se mexeu na cobrança de André: 9 a 1. A vontade do Peixe para buscar o décimo era tanta que Wesley fez falta dura e acabou expulso no fim.

Nem precisava do décimo. O Peixe deu mais um show.

Por: Adilson Barros

veja também