MENU

Peixe vence clássico na Vila

Peixe vence clássico na Vila

Atualizado: Domingo, 25 Julho de 2010 as 6:27

O Santos interrompeu na tarde deste domingo a série de três derrotas consecutivas no Campeonato Brasileiro. O Peixe derrotou o Tricolor por 1 a 0, na Vila Belmiro, e ganhou confiança a três dias da primeira decisão da Copa do Brasil, contra o Vitória. De quebra, deixou o rival em situação ainda mais preocupante. Também no meio da próxima semana, a equipe do Morumbi vai a campo, contra o Internacional, pela semifinal da Taça Libertadores da América, tendo conquistado apenas um empate nas últimas quatro partidas.

Na tabeça de classificação, o Peixe foi aos 15 pontos e subiu para a sétima colocação. Já o Tricolor, que estacionou nos 12 pontos, caiu para a 15ª posição. Os dois times voltarão a campo pelo Brasileirão no próximo final de semana. No sábado, o Tricolor terá o Ceará pela frente, no estádio do Morumbi. Já o Peixe, no dia seguinte, enfrentará o Grêmio Prudente, na casa do adversário.

Pouca emoção no primeiro tempo

Dorival Júnior e Ricardo Gomes utilizaram estratégias diferentes no clássico deste domingo. O técnico do Peixe optou por poupar apenas três titulares (Pará, Wesley e Robinho), enquanto que o comandante do Tricolor foi mais radical e tirou seis atletas do começo da partida (Jean, Alex Silva, Miranda, Rodrigo Souto, Marlos e Hernanes). Soma-se aos desfalques do Tricolor o lateral-esquerdo Junior Cesar (suspenso) e os atacantes Dagoberto e Fernandão (que voltaram a treinar fisicamente no último sábado).

Com isso, quem foi a Vila Belmiro pode observar jogadores que têm poucas oportunidades. Do lado alvinegro, as grandes novidades foram o lateral-esquerdo Alex Sandro e o volante Rodriguinho. Pelo Tricolor, o volante Casemiro, o lateral-esquerdo Diogo e quarto-zagueiro Samuel estrearam.

Com posturas opostas, a leitura do primeiro tempo foi muito clara. Enquanto o Santos tomou a iniciativa e apostou na troca rápida de passes, o São Paulo apostou na marcação forte e na saída rápida para os contra-ataques.

Com isso, o jogo teve poucos momentos de emoção nos primeiros 45 minutos. Isso porque o jogo ficou concentrado em um campo só. Jogando com o apoio de sua torcida, teve maior posse de bola, mas não teve espaço para jogar. Em determinados lances, o Tricolor se defendeu com até oito homens, deixando apenas Marcelinho Paraíba e Fernandinho além da linha do meio-campo.

 Aos 12, a primeira jogada de perigo. Em cobrança de falta inexistente de Diogo em Alex Sandro, Marquinhos bateu no canto esquerdo de Rogério Ceni, que defendeu. Na volta, Neymar chutou e o goleiro tricolor fez um milagre. O juiz Luiz Flávio de Oliveira já havia parado o lance para marcar impedimento do camisa 11 do Peixe. No lance, Marcel deu uma cabeçada na nuca de Renato Silva, que caiu no gramado e apagou. Após momentos de pânico, com os dois departamentos médicos trabalhando juntos, o jogador recuperou os sentidos e a partida recomeçou. (Veja o lance)

Aos 20, o Peixe construiu sua única jogada de perigo com a bola rolando. Alex Sandro cruzou da esquerda para Marquinhos, que ajeitou para Marcel, que tocou para Neymar, que bateu por cima do gol.

Daí para frente, o jogo caiu de rendimento. O Santos não teve espaços para criar nada e o São Paulo, quando teve o contra-ataque, pecava pela lentidão e pela falta de uma referência na área. Tanto que o time do Morumbi só assustou no primeiro tempo em dois chutes de longe, bem defendidos por Rafael. O primeiro foi aos 35, com Richarlyson, e o segundo com Marcelinho Paraíba, aos 44.

Etapa complementar

Os dois times voltaram sem alterações para o segundo tempo. A partida recomeçou mais acesa. Aos dois minutos, Rogério Ceni cobrou falta da entrada da área e Rafael defendeu firme. A resposta santista aconteceu quatro minutos depois, quando Ganso recebeu na área e tocou para Marquinhos, que bateu à esquerda do gol de Ceni.

 O jogou melhorou porque ficou mais aberto na etapa complementar. O São Paulo subiu o seu meio-campo e passou a buscar o ataque, o que não aconteceu até então. Mas, no momento em que o Tricolor era melhor, o Santos abriu o marcador. Aos 14, Marquinhos cobrou falta pela direita e Renato Silva cabeceou contra o próprio gol: 1 x 0 e festa na Vila Belmiro. Na comemoração, um torcedor invadiu o gramado de sunga para festejar. Ele foi rapidamente contido pelos policiais e levado preso. (Reveja o gol e a invasão)

Com a mudança no placar, os dois treinadores resolveram fazer alterações. No Peixe, o garoto Breitner entrou na vaga de Marquinhos. No Tricolor, Washington entrou no lugar de Jorge Wagner. Com isso, Marcelinho Paraíba, que tentava jogar como atacante, sem sucesso, foi recuado para o meio-campo. Aos 25, o Peixe quase fez o segundo: Ganso tocou para Neymar, que mandou para Danilo, que bateu à esquerda de Rogério Ceni. No minuto seguinte, Gomes fez a segunda alteração, sacando Cléber Santana e colocando Hernanes. No seu primeiro lance, aos 30, ele fez boa jogada individual, mas da entrada da área, bateu errado, à direita do gol adversário.

Tricolor melhora e acerta o travessão

Com as mudanças, o São Paulo cresceu em campo. Aos 32, após cruzamento de Marcelinho Paraíba pela direita, Washington, de cabeça, acertou o travessão. Na sequência do lance, a volta foi cruzada novamente na área e o mesmo camisa 9 só não marcou porque Edu Dracena salvou de cabeça. O Peixe, sentindo a melhora do rival, ganhou novo gás no meio-campo com a entrada de Wesley no lugar de Danilo. Depois, Zé Eduardo ficou com a vaga de Neymar. Do lado tricolor, Ricardo Gomes tentou uma última cartada, com Marlos na vaga de Marcelinho Paraíba, mas não foi feliz.

  Por Julyana Travaglia e Marcelo Prado Santos

veja também