MENU

Pelo sonho olímpico, João Derly ignora dores e enfrenta graves lesões

Pelo sonho olímpico, João Derly ignora dores e enfrenta graves lesões

Atualizado: Segunda-feira, 11 Abril de 2011 as 9:33

João Derly resiste, insiste. As constantes dores e as graves lesões não dão trégua. Nós últimos dez anos, o judoca bicampeão mundial, conhecido por resolver seus desafios com um ippon, tem sofrido para vencer cada combate contra as limitações de seu corpo. No mês passado, achou que estava prestes a perder o último deles. No dia que marcava seu retorno às competições depois de 15 meses afastado dos tatames, se machucou novamente. Mas a busca pela medalha olímpica, a única da qual sente falta em sua coleção, ainda faz o gaúcho de 29 anos seguir na luta.

- Tem momentos que você pensa até se vale a pena sofrer tanto. Mas é uma coisa que eu amo, que sinto prazer. Vale o sacrifício. É melhor do que ficar pensando: "Será que dava?". A medalha olímpica é um sonho, um objetivo de vida. Já tive tantos títulos, tantas vitórias, mas essa eu ainda não tive. Então, enquanto puder, vou seguir lutando - garantiu.     A carreira de João Derly sempre foi marcada por altos e baixos. Na maioria das vezes, os momentos ruins tiveram como antagonistas as graves lesões. Em 2006, 2009 e 2010 enfrentou suas piores fases. Aos 25 anos, o gaúcho teve de passar por uma cirurgia no ombro direito. Em 2009, machucou os músculos abdominal e adutor direitos e teve de ficar fora do Mundial de Roterdã. No mesmo ano, também sofreu um sério problema no joelho esquerdo e, depois de encarar duas operações, precisou passar 2010 inteiro em tratamento. O último susto aconteceu no mês passado, quando estirou os ligamentos do outro joelho. Desta vez, contudo, o tratamento deverá ser apenas com fisioterapia.

- Tem dores que eu nem ligo mais. A gente costuma brincar que nem sente mais os nossos dedos. Só as dores de lesões mais graves é que incomodam bastante. A minha vida inteira eu tive dor. Nem me lembro mais qual foi a última vez que não senti dor nenhuma - disse o simpático judoca, que aproveita as temporadas longe dos tatames para pescar.      

veja também