MENU

Pênaltis, treino alterado e até morteiro: nada abala o Esmeraldino

Pênaltis, treino alterado e até morteiro: nada abala o Esmeraldino

Atualizado: Quarta-feira, 8 Dezembro de 2010 as 8:31

Com a atitude do Independiente de não permitir que o Goiás treinasse em Avellaneda, palco da partida desta quarta-feira, pela final da Copa Sul-Americana, o time trabalhou no campo de treino do Boca Juniors, ao lado da Bombonera. Após um rachão com nove de cada lado, treino de cobranças de pênaltis. A taça pode ser decidida em penalidades se a equipe argentina vencer por dois gols de diferença. Mas ninguém no Esmeraldino cogita esta possibilidade. E mesmo que ela se concretize, não há preocupação.

- Sempre treinamos pênaltis ao fim dos treinos, é algo natural para nós. E não estamos pensando nisso, e sim em resolver dentro dos 90 minutos - ressaltou o técnico Artur Neto, que, no entanto, não deixou a imprensa filmar as cobranças.

O treinador classificou a decisão do adversário de não liberar o campo para o reconhecimento como uma falta de respeito, mas não se surpreendeu. Quando a LDU-EQU esteve na Argentina para jogar as semifinais também foi vetada de treinar em Avellaneda.

- O ideal seria trabalhar lá, mas não vamos ficar desesperados por causa disso. Não se cumpriu o que deveria em termos de reciprocidade. É uma falta de respeito, mas contra a LDU também foi assim. Vamos ver no campo o que vai acontecer - acrescentou o comandante.

Sobre a escalação, Artur não fez mistério. É a mesma que enfrentou o Independiente na vitória por 2 a 0 no Serra Dourada, na última quarta. Mas ele não comentou como será a postura tática da equipe, que deve priorizar a marcação até pelo fato de ter a vantagem de poder perder por um gol de diferença para ser campeã. Marcelo Costa e Otacílio Neto podem ajudar mais a fechar os espaços e conter os avanços doa argentinos, que precisam do resultado positivo.

- Não posso responder sobre como o time jogará, pois isso não é algo que se diga na véspera de um jogo (risos). Mas o que muda é que antes sempre precisamos decidir fora com vitória, agora não tem a necessidade de vencer pra classificar, mas a intenção de ganhar existe - completou o treinador.

Susto na porta do hotel

Após o treino, a delegação seguiu de ônibus até o hotel, e levou um susto na chegada: um morteiro foi jogado da janela de um dos quartos e explodiu no ar, quase chegando à saída do ônibus. Ninguém se machucou, mas os torcedores do Goiás que recepcionavam os jogadores ficaram assustados. Passado o ocorrido, a festa da torcida seguiu com faixas e gritos de incentivo.

Por: Carolina Elustondo

veja também