MENU

Petkovic e Ronaldinho: cobranças de falta em questão no Flamengo

Petkovic e Ronaldinho: cobranças de falta em questão no Flamengo

Atualizado: Sexta-feira, 3 Junho de 2011 as 10:46

É falta na entrada da área, adivinha quem vai bater? É o camisa 10 ou o 43 da Gávea? Nem Jorge Ben Jor, músico rubro-negro que compôs ‘É o Camisa 10 da Gávea’ em exaltação a Zico, saberia responder. Em sua despedida contra o Corinthians, domingo, Pet dividirá com Ronaldinho Gaúcho a responsabilidade de cobranças próximas à área. Mas o ex e o atual camisa 10 não conversaram sobre o assunto. Pet vai deixar acontecer.

    Ronaldinho Gaúcho e Pet treinam: ambos estarão juntos no jogo contra o Timão (Foto: Agência Globo)       - Não conversei com o Ronaldinho Gaúcho sobre isso. Primeiro, tem que pintar uma chance. Às vezes, você fica seis, sete jogos sem marcar um gol de falta, ou por falta de oportunidade ou porque está muito longe. Em outros jogos, você faz dois, mas teve cinco bolas bem colocadas - analisou Pet.

Foi um gol de falta marcado sobre o Vasco, em 2001, que deu a conquista do tricampeonato estadual e fama a Pet. Quem sabe assim também não será o último capítulo de uma história que faz o jogador deixar a frieza de origem sérvia de lado.

- Eu amo o futebol. Vou continuar jogando minhas peladas.

Ao revelar sua paixão pela bola, Pet relembrou a vinda da Sérvia para o Brasil, partes da história no Flamengo, entre outros momentos da carreira. Questionado do que não sentirá falta no futebol, o jogador não teve dúvidas.

- De concentração. Concentrar dois, três dias é um exagero.     Respostas para as perguntas que não querem calar       Pet concede entrevista (Foto: Cezar Loureiro/Globo)     A despedida de Petkovic também dá margens a duas perguntas corriqueiras nos dias que antecedem a partida: e se Pet jogar bem, como será?; é certo marcar o adeus para um jogo oficial que vale três pontos? E se perder? Ao mesmo tempo em que Pet acaba com qualquer possibilidade de mudar de ideia, o elenco deixa clara a importância da partida. No Flamengo, o ‘se’ foi barrado.

- A ideia de ir bem e não parar não está em pauta. Não preciso provar mais nada para o Vanderlei nem para ninguém. É minha despedida – afirmou Pet, ao ser questionado se uma boa atuação diante do Corinthians poderia fazer Vanderlei ou o próprio jogador reverem seus conceitos.

Durante a semana, todos os jogadores renderam homenagens a Pet, mas sempre com a preocupação de exaltar a importância do jogo. Nesta quinta-feira, foi a vez de Renato.

- Futebol é resultado. Se não vencermos o Corinthians, a festa ficará pela metade – ressaltou o jogador.        

veja também