MENU

Por causa de lesões, Ganso perderá espaço na Seleção, prevê Muricy

Por causa de lesões, Ganso perderá espaço na Seleção, prevê Muricy

Atualizado: Sexta-feira, 9 Setembro de 2011 as 3:49

Ganso vai parar por até 45 dias por causa de nova

lesão (Foto: Agência Estado)

  O martírio do meia Paulo Henrique Ganso, do Santos, dura mais de um ano. Desde agosto do ano passado, o meia convive com problemas físicos. No amistoso da Seleção Brasileira contra Gana, na última segunda-feira, em Londres, o craque sofreu seu segundo problema muscular em quatro meses e ficará até 45 dias no estaleiro. As seguidas lesões de Ganso preocupam técnico Muricy Ramalho, que lamenta a perda da forma física do meia justamente quando ele estava chegando ao condicionamento ideal. O técnico acredita que essa sequência de problemas já coloca a vaga de Ganso na Seleção Brasileira em xeque.

- A lesão do Ganso é ruim para o time, porque perdemos um grande jogador e estamos com dificuldade de repetir escalações. Para ele, é ruim também, pois estava voltando a ficar bem fisicamente. Terá de trabalhar dobrado para se recuperar, além de perder espaço na Seleção.

Somando suas duas últimas passagens pelo estaleiro à previsão de recuperação do problema atual, Ganso vai ficar quase 11 meses de molho. Primeiro, o craque ficou sete meses parado por conta de uma lesão no joelho esquerdo. Ele retornou em março, mas só jogou por dois meses. Na primeira partida da final do Paulistão contra o Corinthians, em maio, mais uma lesão. Dessa vez, um estiramento na parte da frente da coxa direita tirou o jogador dos campos por um mês e meio.

Ganso voltou na segunda partida da final da Taça Libertadores, contra o Peñarol, dia 22 de junho. Engatou uma dura maratona de treinos e jogos. Além do Santos, ele defendeu a Seleção na Copa América e também nos amistosos contra Alemanha e Gana, quando sofreu mais uma lesão com apenas oito minutos em campo. O problema agora é na coxa esquerda.

- É uma loucura, não tem ser humano que aguente. O jogador tem de estar sempre no limite - lamenta Muricy.        

veja também