MENU

Pra cima deles, Brasil! Mano quer retomada da alegria contra França

Pra cima deles, Brasil! Mano quer retomada da alegria contra França

Atualizado: Quarta-feira, 9 Fevereiro de 2011 as 9:17

Uma Seleção Brasileira ofensiva, confiante e com qualidade. Diante da França, no amistoso desta quarta-feira, no Stade de France, em Saint-Denis, o técnico Mano Menezes quer iniciar uma nova etapa no comando da equipe. E nada melhor do que um adversário forte e tradicional como pontapé inicial desse projeto.

Quando assumiu a Seleção Brasileira, em julho do ano passado, o treinador chegou a falar em recuperar a alegria e a maneira mais solta de jogar. Conseguiu fazer isso na estreia, na vitória sobre os Estados Unidos. Mas depois, contra Irã, Ucrânia e Argentina, o time não encontrou a mesma pegada. Quem sabe agora...

- A Seleção Brasileira pode jogar de forma mais ofensiva, com capacidade para propor mais o jogo. Nas últimas edições (de Copa do Mundo), isso ficou meio distante. Para isso é preciso ter confiança e qualidade – analisou Mano Menezes.

A França, então, terá pela frente um Brasil ofensivo. Pelo menos é esse o discurso do treinador. Mano, por sinal, quer aproveitar a dificuldades do duelo para ver se o grupo já está forte para conseguir propor as mesmas coisas dos jogos contra Estados Unidos, Irã e Ucrânia.

- Fizemos os primeiros jogos com equipes de uma qualificação um pouco mais abaixo. Agora precisamos impor questões táticas contra times mais qualificados. Fazer contra essas equipes o mesmo que fizemos com os menores. Esse é o nosso desafio agora – acrescentou o comandante da equipe brasileira.

No único desafio de grande porte até aqui, o Brasil perdeu da Argentina por 1 a 0, com um gol de Messi nos minutos finais. Mas esse é risco do planejamento.

- O risco é momentaneamente maior nessa fase, mas não podemos fugir dessa responsabilidade – completou o treinador.

Para este ano, além da Copa América na Argentina, estão confirmados mais dois amistosos de peso: Holanda, em junho, e Alemanha, em agosto.

Por: Leandro Canônico

veja também