MENU

Presidente da Fifa é acusado de doar R$ 1,6 milhão em troca de votos

Presidente da Fifa é acusado de doar R$ 1,6 milhão em troca de votos

Atualizado: Segunda-feira, 30 Maio de 2011 as 10:14

Blatter não será investigado pela Fifa (Foto: EFE)

  Jack Warner, vice-presidente da Fifa e presidente da Concacaf, suspenso neste domingo enquanto se investiga um suposto caso de fraude eleitoral, denunciou, através de um comunicado, uma suposta doação de US$ 1 milhão de dólares (R$ 1,6 milhão) de Joseph Blatter, presidente da entidade, à Concacaf. Warner disse estar surpreso pela suspensão e a considerou um abuso nos procedimentos disciplinares do comitê de ética da Fifa. Além disso, ele criticou Bin Hammam e a candidatura do Qatar à Copa do Mundo.

- Nego as alegações apresentadas, segundo as quais eu teria feito comentários à CFU (Confederação Caribenha) sobre doações procedentes de Bin Hammam. Também indico (ao Comitê de Ética) que em Miami, no Congresso da Concacaf de 3 de maio, Blatter tinha feito uma doação de US$ 1 milhão à Concacaf - afirmou Warner em seu comunicado.

De acordo com Warner, o francês Michel Platini, presidente da Uefa, teria tentado impedir o pagamento do valor.

- Isso molestou o presidente Michel Platini, que estava presente, e que se dirigiu ao secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, dizendo-lhe que Blatter não tinha permissão do Comitê de Finanças para essa doação, ao qual Jérôme Valcke respondeu que ele encontraria dinheiro para o senhor Blatter - continuou Warner em seu texto.

O suposto caso de corrupção centra-se em uma reunião da Confederação Caribenha de Futebol (CFU), em 10 e 11 de maio, da qual participaram Bin Hammam e Jack Warner e na qual teriam sido pagos subornos para influir no resultado das eleições. Segundo a imprensa britânica, Bin Hamman e Warner ofereceram US$ 40 mil (R$ 63,7 mil) em presentes às federações nacionais em troca de seus votos.

Bin Hammam, também suspenso provisoriamente por causa da investigação da Fifa, tinha se retirado na noite de sábado para domingo da corrida com Blatter pela presidência do órgão que rege o futebol mundial. Blatter, aspirante a reeleição, foi absolvido neste domingo de qualquer suspeita e não será investigado. Tem o caminho livre para um novo mandato, já que é o único candidato à eleição de 1º de junho.

Warner criticou a candidatura, já retirada, de Bin Hammam e apontou irregularidades na eleição do Qatar como sede da Copa do Mundo de 2022.

- Nunca entendi porque Mohammed Bin Hammam estava concorrendo. Ele pensou que tinha alguma chance de vencer ou queria mostrar, de forma extrema, que não gosta de Blatter. Ou ele pensou que poderia comprar a Fifa como o Qatar comprou a Copa do Mundo.            

veja também