MENU

Promessa da nova geração brasileira segue os passos de Cielo nos EUA

Promessa da nova geração brasileira segue os passos de Cielo nos EUA

Atualizado: Sexta-feira, 6 Maio de 2011 as 10:47

Humilde, Marcelo Chierighini evita comparações com o melhor velocista do mundo. Mas não dá para negar que os dois têm muitos pontos em comum. Para começar, o nadador de 20 anos se destaca justamente nas mesmas provas que Cesar Cielo domina (50m e 100m livre). Ambos foram revelados no Pinheiros, possuem portes físicos parecidos e subiram ao pódio fora do país pela primeira vez em provas de revezamento de mundiais de piscina curta. Se não bastassem todas essas coincidências, a jovem promessa está trilhando o mesmo caminho que o companheiro de seleção. Desde janeiro deste ano, treina em Auburn, nos Estados Unidos, com o técnico que ajudou a transformar o menino de Santa Bárbara D’Oeste no primeiro nadador brasileiro campeão olímpico.

- Eu estou na mesma universidade, mas sei que ainda estou longe de chegar perto de Cielo. Eu ainda tenho muito o quê melhorar. O trabalho é parecido. Mas eu ainda estou pensando mais a longo prazo. Estou pensando nas Olimpíadas do ano que vem, quero pegar essa vaga – disse Chierighini, que esta semana ficou em quarto lugar nos 50m livre do Troféu Maria Lenk e disputa nesta quinta-feira as semifinais dos 100m livre.

Motivado pelos resultados de Cielo e pela oportunidade de treinar ao lado de grandes velocistas, como o francês Frédérick Bousquet, a jovem promessa da natação brasileira resolveu se mudar para Auburn. Na pacata cidade americana, está treinando com o técnico australiano Brett Hawke, o mesmo treinador do campeão olímpico até o ano passado.

- Os primeiros meses são de adaptação, mas eu estou gostando bastante. O Brett faz um trabalho um pouquinho diferente, com mais explosão. Bem como eu gosto mesmo. Ele faz um treino criativo. Acho que essa é a maior diferença – avaliou.

Da mesma forma que acompanhava o desempenho de Cielo até nas competições nacionais, Brett também veio ao Brasil para orientar seu novo pupilo no Troféu Maria Lenk. O treinador também foge das comparações entre os dois nadadores.

- Eu não gosto de comparar. Olho para ele como um atleta individualmente. Ele tem muito talento e, se ele trabalhar duro e continuar ganhando experiência, poderá ser um grande nadador para o Brasil no futuro – disse Brett.

O treinador prefere ser cauteloso ao falar sobre o futuro de Chierighini. Para o australiano, o brasileiro ainda precisa de muita bagagem para entrar no grupo dos melhores velocistas do mundo.

- Eu acho que ele é um jovem talentoso nadador. Ele tem um grande futuro pela frente, mas precisa de muito mais experiência. Isso é apenas o começo da jornada para ele. Os próximos anos são muito promissores.

Apesar das coincidências, os dois nadadores começaram na natação de formas diferentes. Enquanto Cielo já se destacava desde criança em Santa Bárbara, Chierighini começou a levar a sério o esporte quando já tinha 16 anos. O talento do nadador de Itu, no entanto, foi rapidamente reconhecido. Em três anos, ele já estava disputando o título brasileiro dos 100m livre com o campeão olímpico.

No Troféu José Finkel 2010, Chierighini teve a certeza de que não era tarde para se tornar um nadador de nível internacional. Ao lado de Cielo, conseguiu índice para o revezamento 4x100m livre do Mundial de Dubai-2010 e conquistou sua primeira medalha (bronze) fora do país. Assim como o campeão olímpico, que fez sua estreia nos pódios estrangeiros (prata) nesta mesma prova, no Mundial de Indianápolis-2004.

veja também