MENU

Quatro treinadores correm risco de duplo rebaixamento no Brasileiro

Quatro treinadores correm risco de duplo rebaixamento no Brasileiro

Atualizado: Quarta-feira, 23 Novembro de 2011 as 11:50

Lopes, agora no Furação, tem parcela na queda do

América-MG (Fernando Freire/Globoesporte.com) Nessa reta final de Campeonato Brasileiro, as disputas entre as equipes da parte de baixo da tabela de classificação pegam fogo. Mas um duelo particular entre os técnicos dos times ameaçados chama a atenção. Quatro deles vivem o risco de um duplo rebaixamento, já que deixaram um time em apuros mas continuam na mesma situação, agora em um concorrente.

Os exemplos são vários, a começar por Antônio Lopes, fadado a ser lembrado de modo negativo pelos torcedores do América-MG, já rebaixado. O treinador carioca comandou o Coelho em quatro jogos, conseguiu apenas dois pontos e deixou a equipe na lanterna da disputa. Além disso, deu declarações que não foram bem digeridas pelo grupo de jogadores.

O presidente do América-MG, Marcus Salum, não vê como erro a contratação de Lopes.

- No final das contas, foi benéfico. Motivou os nossos jogadores a darem respostas dentro de campo - analisou o dirigente.

Joel Santana faz as contas para livrar o Bahia da

Série B em 2012 (Foto: Agência Estado) Agora, Antônio Lopes comanda o Atlético-PR, que ainda luta contra o descenso. Na próxima rodada, encara o América-MG, em Uberlândia, e uma vitória pode deixá-lo fora da zona de rebaixamento - desde que o Cruzeiro não ganhe do Ceará em Fortaleza.

Outro nome da lista é Joel Santana, atual treinador do Bahia. Apesar de estar a quatro pontos da zona de rebaixamento, ainda corre risco. Ele treinou o Cruzeiro em pouco mais de dois meses e teve um retrospecto de oito vitórias e sete derrotas. Sofreu com as contusões de boa parte do elenco, como o atacante Wallyson, e tentou dar força aos jogadores oriundos das categorias de base, mas não obteve sucesso.

Já o atual treinador cruzeirense, Vágner Mancini, terá um duelo direto e decisivo no próximo domingo, contra o Ceará, time que conhece bem. Ele ficou 159 dias no comando do Vozão, conquistou o Campeonato Cearense, chegou às semifinais da Copa do Brasil, mas deixou a equipe na 15ª colocação no Brasileiro, com 27 pontos, após 23 rodadas.

Mancini tem confronto direto contra o ex-clube

(Foto: Leonardo Simonini/Globoesporte.com) Por conhecer bem o adversário, Mancini comenta o que pode ajudar para o confronto em Fortaleza.

- Monto estratégia, passo aos atletas todas as informações, só que dentro de campo é que tudo se define e, infelizmente, a gente só vai até certo ponto.

O atleticano Cuca é outro que poderá deixar o Brasileiro deste ano com a marca da dupla queda, caso o Cruzeiro não consiga a permanência na Série A. Cuca dirigiu o time celeste nas cinco primeiras rodadas e não conseguiu uma vitória. Teve sua imagem arranhada após a eliminação precoce na Taça Libertadores, para o Once Caldas. Venceu o estadual em dois jogos difíceis contra o rival Atlético-MG e amenizou a situação. Mas não resistiu a uma sequência sem triunfo no Brasileiro.

Cuca só pensa em livrar o Atlético-MG do

rebaixamento no Brasileirão (Foto: Agência Estado) Faltando apenas duas rodadas para o término do certame, Cuca ainda precisa ajudar a garantir a permanência do Galo na Série A - e torcer para o rival continuar nela para não ficar com a marca negativa na carreira. Perguntado sobre a situação, o comandante alvinegro se esquivou.

- Ainda não estou em condições de responder isso. Estou com o pensamento só no Atlético, em tirar a equipe do risco de rebaixamento. Não tenho tempo para pensar em outra equipe - limitou-se a dizer.          

veja também